Economia

Preços do alumínio com ligeiro aumento

O Índice de Preços dos Materiais de Construção (IPMC) apresentou uma variação de 0,6 por cento, em Outubro do ano em curso, em relação ao mês de Setembro, correspondente a um aumento de 0,1 ponto percentual (p.p.) em relação ao mês anterior.

25/11/2022  Última atualização 13H43
© Fotografia por: DR

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), a taxa de variação homóloga do IPMC, que compara Outubro do ano em curso com o mesmo mês de 2021, fixou-se em 14,8 por cento, enquanto a variação acumulada, Dezembro de 2021 a Outubro de 2022, foi de 10,4 por cento.

Nas variações homólogas, entre os grupos de materiais de construção, o alumínio foi o que registou maior aumento nos preços, com 18,2 por cento, seguido pela areia, madeira e contraplacado, com 18,1 cada.

Seguem-se ainda o vidros e artigos de vidro, com 18 por cento, betão pronto (17,6), outros produtos sintéticos (17,4), aço (17,1), vigas, vigotas e ripas (16,7), produtos sintéticos (16), blocos (15,9) tubagens e acessórios de plásticos (15,7), entre os principais.

Os grupos de materiais que mais contribuíram na variação do IPMC do mês de Outubro foram o alumínio, betão pronto, cimentos e aglomerantes e blocos com 0,1 pontos percentuais cada.

Índice de Preços de Materiais de Construção é um indicador económico que reflecte a variação dos preços dos principais materiais que intervêm na actividade de construção e transformação de edifícios para qualquer fim.

Prende-se com a promoção imobiliária, engenharia civil, trabalhos especializados de construção como demolição e preparação dos locais de construção, instalação eléctrica, acabamento de edifícios e outras obras. Exclui a promoção imobiliária, os custos da mão-de-obra e aluguer de equipamento inerentes aos custos da construção.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia