Economia

Porto do Lobito quer captar financiamento americano

Júlio Gaiano | Lobito

Jornalista

A Empresa Portuária do Lobito “Porto do Lobito E.P.” vai continuar a estabelecer parceria com entidades estrangeiras para angariar financiamentos adicionais.

21/06/2024  Última atualização 12H45
Reunião conjunta avalia oportunidades do Porto do Lobito © Fotografia por: Délio Malacriz | Edições Novembro

Essa pretensão da gestão visa dar resposta aos desafios de desenvolvimento do porto, informou o presidente do Conselho da Administração daquela instituição pública.

Celso Rosas apresentou estes objectivos, ontem, no Lobito, província de Benguela, à margem do encontro realizado com a equipa do Comité para os Assuntos Externos da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos da América (HFAC).

Na ocasião, o PCA do Porto do Lobito disse esperar que com a visita de constatação, os deputados norte-americanos possam confirmar "in loco” as potencialidades e oportunidades que o Porto do Lobito pode oferecer ao mundo e consigam mobilizar os potenciais financiadores, além de definirem-se balizas para a canalização dos apoios necessários.

"Tem-se falado muito sobre o Porto e o Corredor do Lobito, mas as pessoas querem saber se, de facto, estas instituições existem. Este trabalho é um tipo de reconhecimento para quando tiverem de mobilizar financiadores e pessoas disponíveis em estabelecer parcerias connosco, elas possam estar cientes que o Porto e o Corredor do Lobito são um facto”, disse.

Admitiu a existência de alguma preocupação da parte dos parceiros, sem, no entanto, precisar as repercussões resultantes em volta disso.

Celso Rosas garantiu que a transformação para Porto Senhorio proporcionou sinais de várias mudanças para a empresa. Destacou, por exemplo, o aumento substancial do número de visitantes e averiguar como forma de se criarem premissas humanas, tecnológicas, materiais no sentido de se arcar com os processos "que se enquadram com os grandes desafios que temos pela frente”.

Lembrou ainda que, sendo membro da Organização Internacional Marítima (IMO), a gestão do Porto do Lobito é regida por lisura, transparência, democracia e participação de todos, cumprindo com as normas internacionais que administram a funcionalidade e princípios marítimos e portuários.

"Aqui prevalece o Código Internacional para Protecção de Navios e Instalações Portuárias (ISPS – CODE). Ademais, somos membros do Pacto Global das Nações Unidas, pelo que a corrupção é proibida nesta empresa”, precisou.

A comitiva de deputados americanos foi encabeçada por Joseph "Joe” Fotz, director do Pessoal da Subcomissão da Comissão dos Assuntos Externos da Câmara dos Representantes (HFAC).

Fizeram ainda parte da mesma Christina Tsafoulias, Christopher Kulukundis e Elizabeth Mount.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia