Reportagem

População do Bengo quer construção de mais infra-estruturas sociais

Alfredo Ferreira / Caxito

Jornalista

Com uma superfície territorial de 24.387,5 quilómetros quadrados, a província do Bengo possui uma população estimada em cerca de 479.936 habitantes

25/04/2022  Última atualização 07H50
© Fotografia por: DR

O Bengo está em festa. Foi elevado à categoria de província, em 1980, ano em que foi desagregado de Luanda, no dia 26 de Abril, através da Lei n.º 29/11, de 1 de Setembro, desanexando os municípios de Icolo e Bengo e Quiçama, que foram reintegrados no território que compre-ende Luanda.

Apesar do crescimento socioeconómico que se verifica, quer na sede provincial (Dande), quer nos demais municípios, a população continua a defender a implementação de mais projectos habitacionais, e de construção de escolas, unidades de saúde, entre outros empreendimentos sociais.

Entre os principais projectos desenvolvidos nos últimos quatro anos, o destaque recai para o Projecto de Infra-estruturas Integradas de Caxito, que havia começado em 2014, no âmbito da implementação dos Projectos de Investimentos Públicos (PIP), e que nesta altura, graças ao seu enquadramento, no ano passado, no Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM), está quase concluído. Caxito apresenta uma nova imagem.

As obras já realizadas permitiram colocar um ponto final às grandes inundações que se verificavam no passado, sobretudo quando chovia. Com as acções de construção e reabilitação da rede viária, sistema de abastecimento de água potável, rede de drenagem das águas pluviais, bacia de retenção e a estação de tratamento de águas residuais, instalação de postes de iluminação pública e de sistemas de telecomunicações, o casco urbano da cidade ficou mais valorizado.

Dos 74 projectos em curso na província, a obra de requalificação da cidade de Caxito absorve cerca de 50 por cento do valor global do orçamento das obras a serem erguidas, no âmbito do PIIM, avaliado em 32 mil milhões de kwanzas.

Outros projectos em curso, como a construção da Centralidade do Bucula, do novo Hospital Geral do Bengo, Hospital Regional de Bula Atumba e de escolas, enchem de orgulho os benguenses, que continuam a acreditar em dias melhores.  

Ao Jornal de Angola, o dembo (autoridade tradicional) de Zombo Macanda, Aurélio dos Santos, de 60 anos, disse que apesar da cidade de Caxito apresentar uma nova imagem, espera ver muito mais. "Quero ver aqui, em Caxito, grandes supermercados, e a electrificação dos municípios do famoso triângulo dos Dembos (Bula Atumba, Pango Aluquém e Dembos)”, referiu, para lembrar que, até no ano passado, a sede municipal parecia uma "sanzala sem soba”.

"Com várias ruas asfaltadas e sinalizadas, Caxito está diferente. Mas não é só a cidade capital da província que deve ter uma boa imagem. As outras localidades também necessitam de centralidades”, defendeu o dembo de Zombo Macanda, localidade do município do Dande.

Para Mussunda da Silva, 41 anos, o Governo deve construir mais escolas e unidades de saúde, e encontrar espaços para a construção de supermercados. "Está na hora de vermos a nossa província a concorrer com outras, sobretudo no que diz respeito aos serviços sociais básicos colocados à disposição da população”, defendeu.

 

Uma história longa

Segundo o cidadão Dias Vara, de 52 anos, apesar de ser uma província jovem, a história do Bengo é longa. O morador do bairro Mifuma, em Caxito, reconhece que o Bengo cresceu muito nos últimos quatro anos. "O Caxito já não é o mesmo do passado, e dentro de poucos meses teremos aqui uma nova centralidade. Mas ainda falta fazer muita coisa”, referiu o munícipe.

Maria João, 25 anos, quer ver asfaltadas as ruas do Bairro Social da Juventude, onde vive há alguns anos, e das localidades de Riceno e Kingungo, na periferia de Caxito. "Quem diria que hoje fosse possível ver muitos grupos de recém-casados sorridentes, em sessões fotográficas, em vários pontos da cidade”, destacou.

Com uma superfície territorial de 24.387,5 quilómetros quadrados, a província do Bengo possui uma população estimada em cerca de 479.936 habitantes. É constituída por seis municípios, nomeadamente o Dande, Ambriz, Bula Atumba, Dembos, Nambuangongo e Pango Aluquém, e faz limite, a Norte, com as províncias do Zaire e Uíge, a Leste com o Cuanza-Norte, a Sul com Luanda, e a Oeste com o oceano Atlântico. 

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Reportagem