Economia

Plataformas logísticas do Luvo e Soyo avaliadas em 37 milhões de dólares

Xavier António

Jornalista

A concessão das plataformas logísticas do Soyo e Luvo, na província do Zaire vão custar 37 milhões de dólares, executado na modalidade de parceira público-privada entre o Governo e o sector privado.

17/11/2021  Última atualização 18H34
© Fotografia por: CEDIDA

A informação foi avançada esta terça-feira, no Zaire, pelo ministro dos Transportes, Ricardo de Abreu, na cerimónia de abertura do concurso público internacional para a concepção, construção, exploração e gestão comercial das plataformas logísticas do Soyo e do Luvo.

"Esta rede de plataformas logísticas será um elemento importante no plano de diversificação da economia nacional. Dependendo da província onde estiverem, as plataformas logísticas facilitarão o armazenamento, conservação e escoamento da produção das zonas produtivas, rurais, pesqueiras, e mesmo de pólos agro-industriais”, sublinhou.

O ministro dos Transportes referiu ainda que o acto simboliza mais um passo concreto na promoção da diversificação da economia, por via do estímulo do aumento da produção de outros sectores e da redução da dependência ao petróleo., sendo, por isso, fundamental, que se estabeleça uma rede logística optimizada, integrada pelos sectores marítimo, terrestre, ferroviário e aéreo.

Ricardo de Abreu esclareceu que, com o lançamento destes concursos para estas duas concessões estratégicas, de um conjunto de seis previstas até 2022, o Executivo quer dinamizar o grande potencial económico desta região e responder ao aumento crescente da demanda de bens e serviços por parte dos cidadãos e das empresas.

 Até 2038, avançou, o país contará com um total de 21 novos centros logísticos intermodais com serviços alfandegários e serviços administrativos afins integrados. "Todas estas plataformas terão características diferentes que se complementarão entre si”.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia