Política

PGR admite partilha de bens desviados com "alguns países"

JA Online

A Procuradoria Geral da República admitiu, nesta quarta-feira, em Luanda, que Angola terá de fazer acordos de partilha de bens "em alguns casos" com alguns países onde foram desviados, devido à complexidade de alguns processos em curso, que põe em causa o seu repatriamento na totalidade à favor do país.

22/06/2022  Última atualização 20H46
© Fotografia por: Paulo Mulaza

"Temos necessariamente de partilhar os bens senão vamos encontrar dificuldades em repatriar estes valores para Angola", reforçou, a directora Nacional do Serviço de Recuperação de Activos, Eduarda Rodrigues, que falava durante a sétima edição do CaféCIPRA, que analisou o tema "combate à corrupção e a recuperação de activos".

 

A procuradora junto da PGR referiu também que há processos crimes sobre  branqueamento de capitais que decorrem quer no "nosso país" como nos Estados onde estão os referidos bens foram desviados.

 

Explicou que os passos a seguir são os mesmos o que vai obrigar o Estado a trabalhar em conjunto com as autoridades no estrangeiro. "Eles só ficam mais motivados em colaborar connosco quando ouvem que há intenção de partilha de bens", avançou.


Esta edição do CaféCIPRA contou, também, com as intervenções do ministro da Justiça e dos Direitos Humanos, Francisco Queiroz, directora Nacional de Recuperação de Activos, Eduarda Rodrigues, e o Inspector Geral de Administração do Estado, Sebastião Gunza.

 

O combate à corrupção e a recuperação de activos constituem uma das principais promessas do Executivo liderado pelo Presidente da República, João Lourenço, que iniciou um amplo debate sobre um tema, até então um tabu, e mobilizou a sociedade em geral. 

 

 

 

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Política