Economia

Pesquisas confirmam existência de petróleo

Lourenço Bule | Menongue

Jornalista

O Ministério dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás (MIREMPET) apresentou, quinta-feira, em Menongue (Cuando Cubango), os resultados preliminares das pesquisas do Plano Nacional de Geologia (Planageo), que confirmam a existência, na província, de petróleo, diamante, cobre, ferro, minerais de terras raras e urânio, este último ao longo da fronteira com a Namíbia.

16/10/2021  Última atualização 08H00
© Fotografia por: DR
Estes dados foram avançados à imprensa pelo administrador para área Técnica do Instituto Geológico de Angola (IGEO), José Manuel, na apresentação dos resultados preliminares do Planageo da zona Sul de Angola, a membros do Governo Provincial do Cuando Cubango e empresários, um acto liderado pelo secretário de Estado para os Recursos Minerais, Jânio Correia Victor.

De acordo com José Manuel, os estudos do Planageo nessa região tiveram início em 2014, tendo sido feitas 222 mil estações de recolha de dados e 8 300 amostras que confirmaram a prevalência de minérios em toda a extensão da província, alguns dos quais, provenientes de outros países, como é o caso do urânio, que emigrou da Namíbia para  o Cuando Cubango através de sismos.

Salientou que foram efectuados apenas estudos aerogeofísicos, faltando os trabalhos geológicos no terreno para se determinar a qualidade e quantidade dos recursos minerais existentes na província do Cuando Cubango, bem como, a durabilidade de tempo de exploração dos mesmos.

"A província do Cuando Cubango tem terrenos movediços, com muita areia que podem ter no mínimo 100 metros de profundidade, facto que dificultou constatar a potencialidade mineira  apenas com os estudos aerofísicos”, disse o director para a Área Técnica do IGEO, acrescentando que a intervenção geológica vai permitir obter toda a informação necessária.

Explicou que os estudos geofísicos do PLANAGEO, ainda não foram concluídos, tendo em conta que teve uma paralisação de três anos por falta de recursos financeiros que alteraram a previsão inicial da conclusão até 2017, mas devido à crise financeira mundial, não se sabendo quando é que poderão ser retomados.
Exploração de recursos

O secretário de Estado para os Recursos Minerais, Jânio Correia Victor, disse que apesar de os estudos preliminares mostrarem a existência de grande potencial mineiro na província, é prematuro falar-se em exploração até que sejam concluídos os estudos científicos, geológicos e geofísicos, que são bastante conclusivos nesse tipo de situações.

Realçou que o PLANAGEO, depois de concluído vai proporcionar uma maior procura no mercado mineiro angolano e, graças a esta demanda, será possível aumentar as receitas fiscais e a participação do Estado nas receitas patrimoniais para sustentar o desenvolvimento socioeconómico do país e do Cuando Cubango, em particular.

"Este projecto ambicioso tem uma grande importância política, económica e social,  permitindo ao Executivo angolano traçar vários programas de longo prazo e, aos investidores nacionais e estrangeiros, saber onde explorar e que tipo de mineral analisar”, disse.

Jânio Correia Victor, durante a sua estadia de algumas horas à província do Cuando Cubango, trabalhou no município do Cuchi, onde constatou as obras da Companhia Siderúrgica do Cuchi (CSC) e, em Menongue, visitou as instalações de armazenamento de combustíveis e gás, postos de abastecimento da Sonangol, Sonangalp e Pumangol.

O secretário de Estado manteve um encontro com os membros do Governo do Cuando Cubango, operadores e empresários do sector mineiro, petróleo e gás da província, onde foram apresentados os resultados do Planageo e eventual outorga de títulos mineiros à região.

Também foram abordadas questões relacionadas ao estado actual dos postos de abastecimento e armazenamento de combustíveis a nível da província e a organização das bacias interiores de Okavango, para divisão dos blocos em 2022.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia