Economia

Pescas preveêm crescimento sustentável até 2022

O Executivo angolano prevê para o quinquénio 2018-2022 atingir uma taxa de crescimento de 4,7 por cento no sector das Pescas, segundo a Proposta Preliminar do Plano Ordenamento do Espaço Marinho (OEM), a que o Jornal de Angola teve acesso.

11/08/2019  Última atualização 19H48
DR © Fotografia por: Pesca cresce 4,7 por cento

O OEM é um processo de planificação do desenvolvimento de áreas marinhas que determina uma gestão abrangente, integrada e complementar, identificando estratégias de gestão adequadas que conduzem à conservação de um ecossistema marinho saudável e propulsor do desenvolvimento económico e sociocultural do país.
No sector das Pescas, a Proposta Preliminar do Plano de Ordenamento do Espaço Marinho encontra-se em fase-piloto desde 2016, nas áreas das Palmeirinhas e na Foz do Rio Tapado.
Para atingir a meta preconizada pelo Governo para o crescimento do desempenho do sector das Pescas, prevê-se a mobilização de dez embarcações, num momento em que as capturas médias provenientes da pesca semi-industrial e industrial se situam em 303 mil toneladas e as da pesca artesanal cerca de 3 580 toneladas.

Segundo o documento, pretende-se fixar, para 2022, um crescimento da pesca semi-industrial e industrial de 3,6 por cento face a 2017 e a manutenção da estabilidade da captura anual da pesca artesanal marítima nesse período, quando também se pretende um incremento de 40 por cento da produção de sal em relação a 2017.
Os objectivos principais definidos para o sector das Pescas resumem-se à promoção da gestão sustentável dos recursos aquáticos vivos, com um aumento controlado das capturas da pesca industrial, semi-industrial e artesanal, bem como o aumento da competitividade na produção salineira.
Em 2017, a produção de sal situou-se em 101 mil toneladas, muito acima das 88 mil definidas pelo Ministério das Pescas e do Mar para aquele ano, de acordo com dados então avançados pelo director nacional de produção e iodização do Sal, Osvaldo da Costa, ao Jornal de Angola.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia