Economia

Perto de 7 mil jovens empreendedores beneficiam de micro-crédito

Ana Paulo

Jornalista

O Plano de Acção para a Promoção da Empregabilidade (PAPE) concedeu, até ao momento, em micro-crédito por via da banca comercial, um valor de 1,3 mil milhões de kwanzas a 6 995 jovens empreendedores.

08/12/2021  Última atualização 07H50
Pedro José Filipe (primeiro da direita à esquerda) juntou-se a Dalva Ringote no briefing do MEP © Fotografia por: Ana Paulo| Edições Novembro
Dados apresentados pelo secretário de Estado para o Trabalho e Segurança Social, Pedro Filipe, indicam que estão cumpridos 69,95 por cento do número de 10 mil previstos no Plano de Desenvolvimento Nacional 2018-2022.

No habitual briefing bissemanal, realizado, terça-feira (7), em Luanda, Pedro José Filipe, ladeado da secretária de - para a Economia, Dalva Ringote, detalhou as actividades desenvolvidas no ciclo de balanço dos últimos sete dias do sector económico do Governo.

Ao que fez saber o secretário de Estado do MAPTSS, há, entre os beneficiados, jovens empreendedores que se organizaram através da criação de cooperativas a nível das pescas e da agricultura, enquanto outros apostaram em áreas como a de recolha de resíduos sólidos, prestação de serviços, mecânica, restauração, só para citar estas.

"O projecto de micro crédito tem tido impacto na vida dos jovens com competências técnico-profissionais e permitido aos mesmos que impulsionem e multipliquem os negócios, tornando-os fiáveis", frisou.


Beneficiários

Pedro Filipe esclareceu que os beneficiados são parte dos mais de 34 mil jovens até aqui formados nos vários cursos profissionais promovidos pelo Ministério, através do Instituto Nacional de Formação Profissional (INEFOP) e vários parceiros públicos e privados.

Como exemplo, realçou, entre os beneficiados está uma cooperativa de resíduos  sólidos, criada por 10 jovens residentes na província do Huambo; um alfaiate que, actualmente, conseguiu empregar outras oito pessoas, além de uma cidadã residente na Centralidade do Kilamba, proprietária de um restaurante, com solidez e óptimas perspectivas de evolução.

"Esta iniciativa de micro crédito permitiu a geração de 16 415 postos de trabalho, criados pelos empreendedores", disse Pedro Filipe.

Na ocasião, esclareceu que o projecto PAPE não cria empregos, apenas fomenta a criação de empregos.

Indicou, por outro lado, que o sector está, actualmente, com um total de 154 centros profissionais distribuídos pelo país. Com este resultado, disse o secretário de Estado para o Trabalho e Segurança Social, face à meta do sector de alcançar 60 mil jovens, ao concretizar já mais de 34 mil, a taxa de realização actual é de 57,72 por cento.


  Participação da banca na iniciativa do Governo
Foram apontadas como bancos de referência no apoio ao Plano de Acção para a Promoção da Empregabilidade (PAPE) os bancos Sol e o BAI Microfinanças.

Para a obtenção do micro crédito, a taxa de juros bonificada é de 1,67 por cento, com um período de carência (espaço de tempo em que não se paga nenhum reembolso) é de três meses e a amortização de um ano.

Segundo o secretário de Estado para o Trabalho e Segurança Social, Pedro Filipe, os jovens empreendedores beneficiários do micro crédito, caso cumpram rigorosamente com as prestações, têm a possibilidade de  renegociar as normas.

"Estamos a trabalhar com duas instituições que têm tradição a nível do micro crédito e nos permitido chegar até aos jo-vens empreendedores", elogiou, tendo acrescentado ser esta uma dimensão clara da aposta séria e firme que o Governo tem para com a formação técnico profissional.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia