Coronavírus

Pelo menos 1.115 jornalistas de 77 países morreram da doença

Pelo menos 1.500 jornalistas de 77 países morreram de Covid-19 desde que começou a pandemia, disse ontem o grupo Press Emblem Campaign, destacando que 200 profissionais foram vítimas da doença em Maio.

12/06/2021  Última atualização 06H05
© Fotografia por: DR
De acordo com a Organização Não-Governamental, com sede em Genebra, Suíça, quase metade das mortes de jornalistas por Covid-19 no mês de Maio ocorreu na Índia, onde se verifica um grave surto da doença, havendo ainda a registar 26 mortes no Brasil.  
O secretário-geral da Press Emblem Campaign, Blaise Lempen, lamentou que nos países em vias de desenvolvimento a vacinação não seja suficiente e lembrou que os jornalistas são profissionais particularmente expostos ao vírus, no exercício da profissão.

Por outro lado, a organização agradece que alguns países tenham incluído jornalistas entre os grupos prioritários para vacinação e que alguns governos tenham tomado medidas no sentido de apoiar as famílias dos profissionais que morreram da doença.  
Por regiões, a América Latina registou mais da metade das vítimas: 795 mortes, seguida da Ásia com 406, Europa com 192, África com 57 e América do Norte com 51 óbitos, desde que começou a crise sanitária.

Por países, os meios de comunicação social da Índia foram os mais afectados, registando-se pelo menos 246 mortes de Covid-19 entre os jornalistas, apesar de algumas fontes indicarem que o número real pode ultrapassar os 400 óbitos.
No Brasil, morreram 239 jornalistas de SARS-CoV-2, no Peru 163 e no México 112. Entre os dez países onde se registaram mais mortes de jornalistas vítimas do novo coronavírus estão também a Colômbia, Itália, Bangladesh, Equador, Estados Unidos e Irão.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Coronavírus