Desporto

Pedro Gonçalves promove cinco estreias nos Palancas

Paulo Caculo

Jornalista

Victoriano, defesa-central do Sagrada Esperança, é um dos estreantes da lista de convocados divulgada esta terça-feira pelo seleccionador de futebol de honras

17/05/2022  Última atualização 21H44
Atleta começa a trabalhar com os Palancas Negras no dia 23 © Fotografia por: Contriras Pipa |Edições Novembro

O defesa Danilson, o médio Higino e o avançado Julinho, ambos do Interclube, e os centrais Gigli Ndefe, do Banik Ostrava da República Checa, e Victoriano, do Sagrada Esperança, são as novidades da convocatória da Selecção Nacional de futebol de honras, divulgada esta terça-feira, em conferência de imprensa, pelo seleccionador Pedro Gonçalves, tendo em vista a dupla jornada frente à República Centro Africana e Madagáscar, enquadrada nas eliminatórias de acesso ao Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2023, na Costa do Marfim.

A lista de 29 jogadores é integrada ainda pelos guarda-redes Kadu, Hugo Marques e Ricardo Baptista, os defesas Tó Carneiro, Jonathan Buatu, Eddie Afonso, Kinito e Kialonga Gaspar, os médios Fredy, Beni, Batxi, Show, Mário Balbúrdia, Megue e Estrela, e os avançados Yano, Zine, Hélder Costa, Ary Papel, Nélson da Luz, Capital, Zito Luvumbo e Gelson Dala, este último que regressa à convocatória da Selecção, após algum tempo ausente, por imperativos de dispensa para adaptação ao Al Wakrah do Qatar.

O defesa Leonel Miguel, do Clube Emmen dos Países Baixos, foi retirado dos convocados, à última hora, em virtude de não ter disponível o passaporte.

  O grupo às ordens de Pedro Gonçalves concentra-se no próximo domingo, dia 22, no Hotel Victoria Garden, devendo começar as sessões de treinos no dia seguinte, no Complexo Desportivo Academia de Futebol de Angola (AFA) e no Estádio Nacional 11 de Novembro.

Instado a analisar os eleitos, Pedro Gonçalves justificou serem os jogadores que atravessam a melhor forma e demonstraram estarem imbuídos do espírito e do compromisso certo para o momento.

"Naturalmente que estes atletas nos têm revelado indicadores de confiança para que agora sejam chamados. Alguns há algum tempo que andam a lutar para esta chamada e, este é o momento”, disse o seleccionador dos Palancas Negras, admitindo ser uma convocatória com algumas ressalvas, em virtude de alguns jogadores poderem falhar a concentração, dado o facto de estarem envolvidos com os respectivos clubes em 'play-off' de acesso à primeira divisão.

"Portanto, isso poderá colidir com os interesse da Selecção, não obstante nas datas-FIFA os jogadores pertencerem às selecções. Mas, contudo, temos também de perceber os momentos que os jogadores têm nos seus respectivos clubes. Esperamos que os jogadores possam estar presentes, mas sabendo que um ou outro pode não estar presente”, acrescentou.

 

Regresso de Dala

Pedro Gonçalves não escondeu a satisfação com a disponibilidade manifestada pelo avançado Gelson Dala, para integrar o grupo nesta dupla jornada das eliminatórias. O seleccionador confessou ter mantido uma conversa com o jogador, sublinhando o facto de "nas últimas épocas ter enfrentado alguma intranquilidade ou definição tardia onde vai jogar”, situação que admite provocar ao avançado um certo desequilíbrio emocional e de forma desportiva.

"Temos esta garantia do jogador, que estará engajado connosco. É importante que o Gelson perceba também da importância que pode ter junto de nós, caso esteja bem e nos possa oferecer mais valias desportivas”, enfatizou, para em seguida asseverar:

"Queremos contar com ele e que ele sinta esta responsabilidade e que venha trabalhar, até porque já está parado há algum tempo. Mas, muitas vezes os factores motivacionais superam estas dificuldades e é nesta perspectiva que queremos contar com o Gelson”.

 

Rostos novos

A integração de novos jogadores nos trabalhos dos Palancas Negras é uma constante no reinado de Pedro Gonçalves, e o seleccionador faz questão de assegurar que vai se manter, sempre na perspectiva do trabalho imediato e a longo prazo.

"Pensamos no imediato, mas também a longo prazo”, sustentou, para esclarecer que a promoção dos jovens Danilson e Julinho, ambos com 23 anos, e dos experientes Victoriano, Higino e Gigli Ndefe, resulta de um trabalho de observação efectuado por futebolistas nacionais em Angola e no exterior do país.

"O nosso trabalho de observação não se resume à diáspora e nem internamente. Os jogadores têm vindo a fazer um percurso que temos vindo a registar e acompanhar. Outros há que também estavam na calha e na perspectiva de poderem ser chamados, mas acabámos por fazer as nossas opções”.   

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Desporto