Economia

País preparado para enfrentar tensões sobre os preços

O impacto do conflito entre a Rússia e a Ucrânia não se reflecte ainda nos preços em Angola, mas o país tem estado a preparar-se com a criação de uma reserva e a diversificação dos fornecedores, ao mesmo tempo que com a aposta no aumento da produção agrícola, declarou, ontem, em Luanda, o ministro da Economia e Planeamento.

30/04/2022  Última atualização 11H13
Reserva Alimentar beneficia manutenção dos preços © Fotografia por: António Soares / Cabinda

Mário Caetano João, que falava à margem da 1ª Reunião Conjunta dos ministros da Economia, Comércio e Finanças da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), considerou que o país não está à parte das implicações geopolíticas do conflito.

 "Não estamos à parte destas implicações devido às tensões geopolíticas que estão a acontecer. Mas nós antecipámo-nos já, no ano passado, com a nossa Reserva Estratégica Alimentar para fazer face às variações dos preços das principais ‘commodities’ que importamos, estamos a referir-nos principalmente aos cereais”, disse Mário Caetano João.

O ministro afirmou que o aumento da produção nacional tem sido decisivo para conter os preços, com a agricultura a crescer, nos últimos três anos, cerca de 5,0 por cento e uma previsão da mesma ordem para este ano, esperando-se um crescimento das pescas em 10 por cento, do comércio em 3,8 e transporte em cerca de 2,0.

O governante sublinhou que a alta dos preços acontece no mercado internacional, incluindo nos países que exportam para Angola, pelo que, "incontornavelmente”, o país vai também importar a inflação.

No caso do trigo, cereal usado no pão e que constitui uma das bases de alimentação das famílias angolanas, a Rússia e a Ucrânia estão entre os maiores exportadores, mas Angola recorre a diferentes origens.

"Temos trigo da América Latina e da Europa Ocidental e mercados de Leste. Temos um ‘mix’ de origens das nossas ‘commodities’ e é claro que o mercado, os empresários estão atentos, acima de tudo querem encontrar negócios aos melhores preços”, destacou o responsável.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia