Mundo

OTAN. MNE polaco prevê adesão rápida da Suécia e Finlândia à Aliança

O chefe da diplomacia polaca manifestou-se hoje confiante de que a adesão da Suécia e da Finlândia à OTAN não demorará "anos ou meses", depois de conversações em Ancara com os seus homólogos turco e romeno.

27/05/2022  Última atualização 13H15
© Fotografia por: DR
"Estou muito optimista quanto à entrada da Suécia e da Finlândia [na OTAN]. Tendo em conta a dinâmica dos processos políticos e militares na nossa parte da Europa, não serão certamente necessários anos ou meses", disse Zbigniew Rau, citado pela agência russa TASS.

Rau reuniu-se em Ancara com os ministros dos Negócios Estrangeiros turco, Mevlut Cavusoglu, e romeno, Bogdan Aurescu, e deverá encontrar-se ao fim do dia com o Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, segundo a agência polaca PAP.

Erdogan ameaçou bloquear a adesão da Suécia e da Finlândia se os dois países nórdicos continuarem a acolher activistas do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que a Turquia considera ser uma organização terrorista.

Numa conferência de imprensa após encontros com os ministros turco e romeno, Rau defendeu que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) ficará "mais forte" com a adesão nórdica.

Disse também que a decisão dos dois países "é o resultado de uma deterioração dramática da situação de segurança na Europa, especialmente na região do Mar Báltico".

Segundo Rau, a decisão sobre a candidatura sueca e finlandesa deve ser tomada tendo em conta os interesses dos 30 países da OTAN, incluindo a Turquia.

"Honestamente, acredito que este debate antes da cimeira (da OTAN em Junho, em Madrid)só pode enriquecer a OTAN como um todo à medida que aprendemos a reconhecer melhor os nossos interesses e a tê-los em conta no futuro", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros polaco.

A Polónia tornou-se membro da OTAN em 1999, e a Roménia em 2004.

Na sequência da invasão russa da Ucrânia, em 24 de Fevereiro, a Suécia e a Finlândia formalizaram a candidatura à adesão à OTAN em 18 de Maio, pondo fim à sua política histórica de não-alinhamento com qualquer aliança militar.

Em reacção, a Rússia anunciou a criação de 12 bases na sua fronteira ocidental até ao final do ano.

A Rússia partilha uma fronteira terrestre de 1.340 quilómetros com a Finlândia e uma fronteira marítima com a Suécia.

O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, acusou esta semana o Presidente russo, Vladimir Putin, de ter cometido um "erro estratégico" ao invadir a Ucrânia para impedir o alargamento da aliança, porque levou a Suécia e a Finlândia a pedir a adesão.

"Ele queria menos OTAN nas suas fronteiras e agora está a receber mais OTAN nas suas fronteiras e mais membros", disse Stoltenberg no Fórum Económico Mundial, em Davos, Suíça.

A guerra na Ucrânia, que entrou hoje no 93.º dia, provocou um número ainda por determinar de vítimas, mas que diversas fontes, incluindo a ONU, admitem que será elevado.

A invasão russa foi criticada pela generalidade da comunidade internacional.

A União Europeia (UE) e países como os Estados Unidos, o Reino Unido ou o Japão têm decretado sucessivos pacotes de sanções contra interesses russos e fornecido armas às tropas ucranianas.

 

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo