Cultura

“Os Picantes” do Huambo vencem “Top dos Mais Queridos”

O grupo musical “Os Picantes”, composto por três jovens da província do Huambo, foram os grandes vencedores da edição deste ano do prémio “Top dos Mais Queridos”, da Rádio Nacional de Angola.

10/10/2021  Última atualização 12H56
O vencedor teve a melhor pontuação nas plataformas digitais © Fotografia por: João Gomes | Edições Novembro
"Os Picantes” venceram com o tema "Crise no Lar”, numa gala realizada, na noite de sexta-feira, no Centro de Conferências de Belas, em Luanda, conseguindo impor-se diante de "colossos da música nacional”. O espectáculo decorreu sob as devidas medidas de restrição, devido à pandemia.

O grupo obteve mais de três milhões de votos dos ouvintes, o que corresponde a 18 por cento da votação, batendo na concorrência Paulo Flores e Yuri da Cunha, de Luanda, segundos classificados com o tema "Njila ia Dikanza”, com dois milhões de votos. Tiviné, de Benguela, na terceira posição, com o tema "Wfeko Wmue”, teve um milhão.

 Os vencedores desta edição receberam o prémio de dois milhões de kwanzas, o segundo um milhão e o terceiro 800 mil.
O "Prémio da Crítica”, avaliado em um milhão e 500 mil kwanzas, uma  canção ou obra discográfica foi  a dupla Filipe Zau e Filipe Mukenga, pelo disco "Canto Terceiro da Sereia: O encanto”, lançado em Lisboa, no ano passado.

 O  júri do "Prémio da Crítica” foi presidido, por indicação da RNA, por Eduardo Paim. O músico foi auxiliado pelo jornalista da RNA Moisés Luís, o promotor de espectáculos Yuri Simão, o tenor Emanuel Mendes e o DJ Chico Viegas.
 Todos os concorrentes receberam certificados de participação e uma estatueta. Na ocasião, a UNAC-SA, entregou cartões de membros aos concorrentes  ainda não inscritos.

"Os Picantes”, composto por Chefe Escorrega, Job Loy e Moroti, apresentou uma fusão entre kuduro e afrohouse. Chefe Escorrega disse, ao Jornal de Angola, que o prémio reflecte " dedicação e  empenho  apesar das inúmeras dificuldades enfrentadas”. "Vamos investir o dinheiro em outros trabalhos discográficos que devem ser apresentados em breve”, garantiu.

O grupo tem dois discos no mercado, "Não improviso” (2014) e "Me ajuda quando estou doente” (2019), lançados somente na província do Huambo. O prémio foi dedicado aos admiradores do grupo e ao governo local, que "muito apoiou para a conquista do prémio”.

 A 31ª edição do concurso musical começou com um musical que homenageou "os mercados nacionais”. O suporte acústico esteve a cargo do grupo tradicional Idimakaji. As coreografias foram do grupo de dança Mutueno, que deram as boas-vindas aos espectadores que estiveram em grande número, mas respeitando o distanciamento físico, devido à Covid-19.

Nesta edição participaram 18 concorrentes em representação das 18 províncias do país. O cenário na parte exterior foi de um minimercado a céu aberto, em representação do tema escolhido pela organização deste ano: a "Praça”. O tema, interpretado pelo grupo de humor Os Tuneza, retratou  a dinâmica dos espaços abertos para a circulação de pessoas e bens, assim como a exposição e comercialização de produtos culturais.

 Os concorrentes foram acompanhados pela Banda Movimento. Entre os espectadores contavam-se os ministros da Cultura, Turismo e Ambiente, Jomo Fortunato e  das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social, Manuel Homem, o PCA da RNA, Pedro Cabral, bem como uma delegação da União Africana.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Cultura