Opinião

Os afro-marimbondos

Sousa Jamba

Jornalista

Quando países europeus, grandes potências na altura, se reuniram em Berlim, em 1885, para dividirem entre si o continente africano, havia, pelo menos no papel, uma noção de responsabilidade; havia a “mission civilatrice” — que incluía a noção da evangelização dos povos africanos.

04/06/2021  Última atualização 08H55
Havia forças no Ocidente que olhavam para todo este processo com uma certa inquietação. É só ler o romance de Joseph Conrad "Heart of Darkness.” As atrocidades do Rei Leopoldo no Congo Belga escandalizavam muitos intelectuais no Ocidente no século dezanove e vinte.

Portugal era suspeito, também, de tratar os africanos de uma forma muito cruel — houve várias comissões internacionais para ver o que é, exactamente, que estava a acontecer no terreno. O sistema colonial foi horrível e injustificável; os que sustentavam o mesmo eram prontamente condenados pela comunidade internacional. No "establishment” colonial haviam algumas vozes que insistiam que os maus tratos aos indígenas eram contraprodutivos; a discriminação contra o negro resultaria num profundo sentimento de revolta que culminaria numa revolução. Foi  isso que aconteceu: elites angolanas, de várias origens, com um sentimento profundo de criar uma sociedade justa, revoltaram-se contra o sistema colonial. O poema de Agostinho Neto invoca a imagem dos trabalhadores, contratados, a passarem pelo Kinaxixi. E naquela canção de Ruy Mingas vemos os nossos a receber peixe podre, fuba podre, panos ruins de cinquenta angolares e porrada se refilarem.  Os artistas, os intelectuais, e pessoas de boa fé não podiam com aquele sistema.

O problema das elites que reinam na África pós-colonial é a falta de uma monitorização global e local  de como os povos são governados. Há vezes que aparecem obras, usualmente por analistas ocidentais, a criticar os governos no nosso continente; alguns invalidam de imediato estas avaliações como sendo manifestações de neocolonialismo.

Infelizmente, há algumas elites africanas que herdaram o poder e não a noção da História. Estas elites não têm o mesmo senso de responsabilidade que aquela que deu tudo para libertar o continente do jugo do colonialismo.
O que faz  Paul Kagame do Rwanda uma figura (com todas as suas falhas) admirável é que ele tem uma noção muito apurada da História; o Rwanda  dentro de cinquenta anos será uma potência africana. O Tchad gasta milhões vindo do petróleo para comprar caças-bombardeiros franceses que não melhoram a vida dos cidadãos. Na República Centro Africana, as elites no poder estão a colaborar com mercenários russos para explorar os recursos minerais do país, enquanto o resto da nação continua na penúria.

Eu vivi a maior parte da minha vida no Ocidente — Reino Unido e Estados Unidos. Eu sei exactamente como o africano é visto por lá. O africano que tira fundos do seu próprio país, a um certo ponto, é tolerado porque ele está a investir no Ocidente — mas ele é, também, minuciosamente vigiado: o dinheiro que vai para o Ocidente não sai de lá com facilidade. No Reino Unido, houve um tempo em que certos governadores dos estados federais da Nigéria desviaram milhões para comprar mansões e viaturas caríssimas em Londres e outros centros metropolitanos. A um certo momento, quando se notou que estes agora queriam  branquear os seus fundos usando o sistema financeiro britânico, as autoridades intervieram, confiscaram os recursos, e, em certos casos, até enfiaram os indivíduos em questão nas prisões — depois de um julgamento, claro. A Suíça até agora não devolveu os milhões que vários líderes nigerianos foram desviando para os seus bancos — e, em certos casos, quando estes fundos são devolvidos, passam a fazer parte da cooperação que dá emprego aos nativos daquele país. O Ocidente não respeita o africano que prejudica o seu próprio povo.

O Ocidente não fica impressionado com o africano, oriundo de um país pobre, que esbanja milhões em viaturas, mansões, em jóias. Este é visto como um infantil, que não entende a sofisticação das coisas. Aqui no Huambo, uma vez, alguns anos atrás, vi uns turistas ocidentais   a fotografarem uma viatura caríssima. O meu compatriota estava muito feliz porque os brancos estavam a fotografar a sua viatura. Ele pensava que eles estavam cheios de admiração. Sendo alguém que entende a ironia britânica, eu sabia exactamente que não estavam a louvar o pobre homem — que se foi gabando que não tinha problemas nenhuns em comprar as peças do carro; ele adiantou, até, que um carburador daquela viatura custava mais do que uma viatura normal para muitos angolanos. O Ocidente respeita o africano que tem uma noção do verdadeiro valor do dinheiro. Os etíopes são muito respeitados no Ocidente porque eles compram negócios por lá, fazem os mesmos crescer, e depois usam o capital para investir no seu país de origem. Os etíopes também investem muito na formação dos seus filhos e parentes; o conhecimento adquirido é prontamente repartido no seu país. Quando um homem de peso etíope fala, muitos ouvem atentamente; quando um afro-marimbondo esbanja os seus milhões em jactos privados, o resto do mundo ri-se de nós...

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Opinião