Mundo

OMS retoma processo de avaliação da vacina russa Sputnik V

A Organização Mundial da Saúde (OMS) retomou o processo para uma eventual autorização do uso de emergência da vacina russa contra a covid-19, a Sputnik V, depois de ter estado bloqueado durante vários meses.

12/11/2021  Última atualização 20H29
Sputnik V © Fotografia por: DR
O anúncio foi feito nesta sexta-feira (12) pela OMS na videoconferência de imprensa regular sobre a evolução da pandemia da covid-19.

"Ainda é preciso haver muita troca de informações antes de o processo estar concluído, mas o processo está a avançar novamente e isso é uma notícia muito boa", afirmou a subdirectora-geral da OMS para o Acesso a Medicamentos, Mariângela Simão.

A OMS aguarda o dossiê completo sobre a vacina, havendo problemas ao nível das inspecções junto do fabricante, adiantou Mariângela Simão.

A autorização de uso de emergência por parte da OMS daria um reconhecimento mais amplo à vacina, permitindo a sua utilização pelo mecanismo de distribuição universal e equitativa Covax, destinado essencialmente aos países mais pobres.

A Sputnik V, administrada na Rússia e noutros países como México, Argentina, Argélia, Irão, Paquistão, Índia, Filipinas e Emirados Árabes Unidos, não está autorizada na Europa nem nos Estados Unidos.

Até à data, a OMS aprovou vacinas contra a covid-19 de seis laboratórios.

A pandemia da covid-19 provocou pelo menos 5.078.208 mortes em todo o mundo, entre mais de 251,87 milhões infecções, segundo o mais recente balanço da agência noticiosa AFP.

Na quarta-feira, a Rússia registou um novo recorde de mortes por covid-19, totalizando 1.239 óbitos diários.

Em Portugal, desde Março de 2020, morreram 18.234 pessoas e foram contabilizados 1.104.189 casos de infecção, de acordo com dados actualizados da Direcção-Geral da Saúde.

A covid-19 é uma doença respiratória causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detectado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e que se disseminou rapidamente pelo mundo.

Segundo a OMS, a Europa voltou a ser o epicentro da pandemia.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo