Cultura

Obras de artistas lusófonos na cena cultural de Paris

Artistas como as angolanas Ana Silva e Keyezua, o português Vhils, o fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado ou a moçambicana Reinata Sadimba animam a cena cultural parisiense durante este mês de Agosto, em que os franceses regressaram aos museus.

27/08/2021  Última atualização 10H05
Obra que deu o título à exposição “The Power of My Hands” no Museu de Arte Moderna de Paris © Fotografia por: DR
Mesmo com o êxodo de muitos parisienses que buscam paragens mais quentes no verão, em Paris não é só animado pelas praias nas bordas do rio Sena, mas também por um público que passados vários meses de encerramento pôde finalmente voltar aos museus e espaços culturais na capital. 

Para os receber, estão os artistas lusófonos com diversas manifestações.No Fluctuart, um barco no Sena, junto aos Invalides, encontra-se a exposição "TRACE”, uma monografia do artista português Alexandre Farto, conhecido como Vhils.

Aberto no verão de 2019 e sendo o único barco no mundo dedicado a mostrar a ‘street art’, a direcção artística do Fluctuart escolheu o artista luso para o momento da reabertura após vários meses de encerramento devido à pandemia de Covid-19 em França.

"É um artista que eu conheço e que eu colecciono. Ele é muito jovem, mas é uma estrela da ‘street art’. É um artista que está no top 10 deste movimento artístico. Ele veio com a sua equipa instalar aqui a exposição e gostou muito do local”, disse Nicolas Laugero Lasserre, co-fundador do espaço e director artístico do Fluctuart, em declarações à agência Lusa.

Com um espaço de 1.000 metros quadrados num barco que custou cerca de 4,5 milhões de euros, o Fluctuart é um museu, com visitas gratuitas e onde até 3 de Outubro os parisienses podem ver as várias fases do trabalho de Vhils, mas também um ‘rooftop’ na moda, com bar e restaurante.

"O nosso desafio é que quem vem jantar ou beber um copo vá também visitar a exposição e temos um verdadeiro trabalho de recepção, fazendo visitas guiadas gratuitas”, explicou Lasserre.

Na esplanada deste barco, pode ainda ser vista a exposição "Les Amazones”, comissariada pela brasileira Agathae Montecinos, onde sete mulheres, entre elas duas brasileiras, Drika Chagas e Sayonara Pinehiro, expõem as suas obras de ‘street art’. 

No Museu de Arte Moderna de Paris, as mulheres africanas estão em destaque com a exposição "The Power of My Hands”, no âmbito da temporada África 2020 em França, que deveria ter acontecido no ano passado, mas foi adiada devido à pandemia.A exposição reúne obras de 16 mulheres africanas, incluindo as angolanas Ana Silva e Keyezua ou a moçambicana Reinata Sadimba, e quer dar voz a estas artistas.

"Há um conjunto de ideias curatoriais e ao dar voz a estas artistas tentámos também juntar a nossa voz como curadoras. Nós acreditamos que as peças falam por si, não precisam de tradução, mas juntar as nossas vozes vem só reforçar isso”, explicou Suzana Sousa, curadora da exposição.Esta investigadora angolana considera que na história mundial "as mulheres de forma geral não foram o foco”, acontecendo o mesmo com as artistas africanas.

Através de cerâmica, instalações de vídeo ou manipulação de tecidos, acompanhadas por testemunhos de cada artista, a exposição é um percurso pela arte contemporânea do continente e esteve patente até 22 deste mês.Já no Museu da Música, a exposição "Salgado Amazônia” propõe um percurso pelas fotografias do conceituado fotógrafo brasileiro que mostra a Amazónia, acompanhado por música criada especialmente pelo compositor Jean-Michel Jarre. 

Ao longo da exposição, o visitante conhece também mais de uma dezena de povos indígenas do Amazonas, com quem o fotógrafo passou algum tempo nas suas viagens. A exposição de Sebastião Salgado está patente até 31 de Outubro.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Cultura