Opinião

O luxo e o lixo

Manuel Rui

Escritor

“Mande entrar.” Entrou, fez uma vénia e disse “fui a Lisboa e o grande cantor revolucionário Adriano Correia de Oliveira, seu amigo, mandou-lhe entregar este garrafão de aguardente.” “Sente-se.”

17/06/2021  Última atualização 06H00
Estou a almoçar em casa do meu amigo que recorda que além de mim e de Ruy Mingas, estava lá outra pessoa, eu acrescento que era o Óscar Monteiro da Frelimo para, por via das cautelas, levar as divisas do banco e guardá-las em Moçambique, era muito dinheiro e já um ministro havia ido ao banco com a sua guarda pessoal e levantou uma quantidade de divisas.

O meu amigo acrescenta para as outras pessoas ouvirem que assistiu Ruy Mingas tocava um acorde e eu escrevia um verso, "posso-me gabar que assisti a tudo. Hoje é dia nove, eu fui num avião a Lisboa, ia em mangas de camisa, nunca tinha ido ao puto. Fui posto no avião pelo camarada Escórcio. Levava quinhentos mil dólares numa sacola, em Lisboa, no aeroporto trabalhavam dois camaradas angolanos, um veio a ser ministro e outro embaixador, passaram-me rápido, fui com o Arménio Ferreira, entreguei-lhe a massa ele meteu na mala do carro, passámos num pronto a vestir e comprou-me este casaco que ainda não passei por casa, fui com o Arménio ao Melo Antunes e outros amigos, queríamos comprar rações de combate pelo menos para aguentar até a seguir à independência. As rações foram embarcadas no avião e a missão cumprida, acho que foram oferecidas, eram sobras da guerra colonial e o dinheiro ficou com o Arménio Ferreira nosso compatriota e destacado cardiologista em Lisboa, era o nosso embaixador, o dinheiro era uma reserva para outras despesas, o Arménio costumava gastar do seu bolso para vestir a malta.”

Depois o meu amigo saltou no tempo com os olhos a brilharem de emoção. Esteve lá na praça da Dipanda e quando o coro de jovens começou a cantar o hino e a bandeira a subir quis gritar para toda a gente que ele tinha assistido ao fabrico do hino, dia nove, anteontem, como era possível!

O meu amigo tem sempre peixe de escabeche especial, daquele tempo lá no Cuito quando o comboio apitava vinha muita gente para a estação, parava, vinha peixe fresco em caixas com gelo a vender pelas estações, as pessoas fritavam o peixe depois o escabeche e guardavam numa caixa de madeira com tampa e ia-se consumindo, matava-se um porco, faziam-se enchidos paios presuntos torresmos, a banha era para cozinhar e guardar carne assada ou entalada. Fazia-se jeropiga de laranja, o meu amigo foi revisitar o Bié e disse que está cuiá de bué, tudo limpinho, na praça tem todos os legumes, muito arroz, muita batata, "acho desaconselhável as pessoas do Bié virem a Luanda, apanham susto, o mato é aqui…” E antes do peixe serviu tortulhos trazidos do Bié, de sabor a mato, lembrei-me do kenda, tortulho que pode crescer até uma cabra do mato se abrigar em seu chapéu, nós comíamos assado na brasa, mas era preciso conhecer dos outros mais pequenos porque tem uns venenosos e se a pessoa come baika rápido e o meu amigo tem no telemóvel imagens das variedades de tortulhos que ninguém se lembra de fazer cultivo disso ou deloengueiros e eu até costumo aqui na minha banda comprar cogumelos importados.

E por falar em viagens eu contei que a Nigéria mandou um avião buscar a gente sob chefia de Lopo do Nascimento. Ficámos na Casa de Visitas da Presidência. No dia seguinte reunião com o Presidente, Governo e chefias militares. Prontificaram-se a mandar tropa para Angola. Agradecemos, mas tropa não queríamos. Precisávamos de dinheiro pois tínhamos guardado em Moçambique que o depositou num banco londrino de cinco estrelas. Ficaram surpreendidos por termos prisioneiros brancos do apartheid para mostrar na Etiópia em Addis Abeba, na OUA, em África era caso único, frisou o Presidente e os nigerianos bateram palmas de pé. O responsável pelos prisioneiro era o comandante Juju que depois conduziu-os a uma cadeia militar solicitada para o efeito.

No dia seguinte, Juju foi ver os presos e estavam todos inchados de porrada e protestaram, pois os angolanos não lhes haviam batido, aliás íamos preparados para na conferência de imprensa perguntarmos aos karkamanos se haviam sido maltratados. No retomar da reunião Lopo do Nascimento fez referência à necessidade de apresentarmos os presos sem sinais de agressões.

Aceitaram disponibilizar dólares. Eram uns sete sacos daqueles grandes em lona, próprios para transportar valores. Pedimos um favor. Não podíamos ir para a Etiópia com o dinheiro, pois seria um problema guardá-lo, então os sacos ficavam e no regresso para Angola passávamos primeiro em Lagos. Veio champanhe e fizeram-se brindes. À noite, um jantar de despedidas.

De manhã, Juju foi buscar os prisioneiros, entraram no avião sentados lá nas cadeiras do fundo, mãos livres, nós todos bem pistolados, depois as hospedeiras vieram fazer vénia não só porque nós éramos os heróis mas também porque iam ficar com ajudas de custo a passear por Addis e seus mercados e quem sabe, aventuras. Quando começaram a servir veio o carrinho de bebidas cinco estrelas, não serviram o comandante Juju. Depois, o mesmo com a comida. Até que foram lá no fundo com caixinhas de ração de combate… e trouxeram uma para Juju. Foi a gargalhada geral. Pensavam que, por ser branco, também era prisioneiro. Lopo do Nascimento Chamou a chefe e explicou tratar-se de um comandante das nossas Forças Armadas e responsável pelos prisioneiros. Ela pediu desculpa e fizeram muitas vénias a Juju e ultrapassaram os mimos, passou a um branco santo enquanto Juju explicava que nós tínhamos muitos comandantes albinos, caramba!

Em Addis, no maior hotel, toda a gente com tarjeta de segurança. Estávamos sentados à volta da piscina, chegou Idi Amin fardado com uma dezena de seguranças de metralhadora exposta. E o presidente da OUA mergulhou na piscina vestido. Soou uma ovação. Senti-me enojado com aquela África. Levantei-me, dirigi-me ao elevador. Quando ia a carregar no botão olhei de lado. Uma hospedeira da Etiópia Airlines. Parei. Uma diva cor de dendém cafuzo. Com tranças. Olhos de onça. Olhou para a minha etiqueta Angola e falou naice, eu era mais um herói. O elevador chegou. Entrámos. Tinha à minha frente a mulher mais linda do mundo. Cheguei ao meu andar. O elevador abriu. Saí. Ela também. Abri a porta com o cartão. Entrei. Ela também sem dizer uma palavra. Deixei a porta aberta. Ela foi fechar. Depois despiu-se escultural divina e eu que não era Cristo e ela era mais bonita que Maria Madalena (intervalo).

Fui à varanda da casa do meu amigo. Estávamos ali de Luanda, do Bié, do Huambo, do Lobito e do Uíge. A cidade parecia uma maravilha de cimento armado sem zonas verdes. Mas era uma altivez de luxo. Era uma enchente de arranha-céus. Mas lembrei-me que quando saíra de casa, à volta de cada contentor o lixo espalhava-se pelo chão da vergonha. A diferença entre luxo e lixo residia apenas numa letra. Bastava mudar o u de luxo e colocar o i de lixo…

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Opinião