Opinião

O impacto da Covid-19 na perspectiva digital

Com o Estado de Emergência decretado por Sua Excelência o Presidente da República como consequência do surgimento da pandemia Covid-19 e com a confirmação de casos no nosso país, e fruto de reflexões diárias sobre matérias da actualidade de onde se insere a questão da pandemia, apresento um conjunto de ideias/reflexões sobre o impacto da Covid-19 na perspectiva digital e do uso das Telecomunicações e Tecnologias de Informação (T/TIC).

11/04/2020  Última atualização 06H00

No mundo globalizado que vivemos, a utilização das ferramentas relacionadas com as Telecomunicações e Tecnologias de Informação constitui o maior factor contributivo para o desenvolvimento sócio-económico das economias das nações.
Com o surgimento quase que inesperado desta pandemia, novas formas de estar, de comunicar, de viver e de trabalhar apresentam-se como dos maiores desafios das organizações e instituições e com ele o surgimento de novos paradigmas nas relações inter e intra-pessoais.
Neste quesito surge então a questão: de que forma o digital pode contribuir no sentido de se encontrarem respostas a esta crise, uma vez que estamos perante uma questão de saúde pública global, que tem como consequência, a redução da mobilidade e em simultâneo o desafio de manter a economia a funcionar?
Especialistas e estudiosos advogam o facto de que as empresas que fizeram fortes investimentos nas Telecomunicações e Tecnologias de Informação (T/TIC) apresentam-se hoje melhor preparadas para enfrentar esta crise, com a manutenção de forma remota das suas actividades, bem como na manutenção da relação de proximidade virtual entre a gestão e os seus colaboradores, por forma a que os objectivos sejam alcançados e alcançáveis.
Deste modo, estamos perante um momento ímpar que, com certeza, vai proporcionar um aumento significativo de investimentos nas Telecomunicações e Tecnologias de Informação (T/TIC), nos dias de hoje e no período pós-Covid, com a implementação de redes de banda larga, crescimento vertiginoso da utilização dos laptops, utilização massiva das clouds, assim como do desenvolvimento de sistemas de CyberSecurity e Inteligência Artificial, de forma a que se proporcione que o Tele-Trabalho, a Tele-Educação e a Tele-Medicina, entre outras, sejam realizadas de forma mais segura e eficiente.
À luz do estado actual em que se encontram os níveis de actividade económica na grande maioria dos países, é inevitável que se entre numa recessão à escala mundial, mas ainda é possível que se evite uma depressão à mesma escala. Para tal, um forte e significativo investimento nas ferramentas tecnológicas com suporte das redes de banda larga torna-se inevitável.
As incertezas por onde os mercados caminham, fruto da pandemia da Covid-19, estão a provocar efeitos muito negativos nas economias e, como consequência, no PIB dos países, com particular destaque negativo para as economias mais frágeis e que levará um tempo significativo e indefinido para que a recuperação pretendida seja um facto.
Pontos significativos que consideramos com o impacto da Covid-19 no digital:
1- Masssificação do uso dos laptops;
2- Colocação da tecnologioa digital ao serviço do cidadão e da sociedade;
3- Massificação da Internet;
4- Incremento da utilização das redes de banda larga, cloud;
5- Uso extensivo de plataformas de áudio e vídeo-conferência
6- Novos modelos e novos paradigmas de funcionamento das organizações;
7- Maiores e melhores investimentos nas infraestrututas de telecomunicações e tecnologias de informação (T/TIC);
8- Maiores e melhores investimentos em Aplicações e Inteligência Artificial.
Pelas conclusões acima expostas, podemos afirmar que tanto as sociedades, assim como as organizações, terão de repensar nos modelos de actuação e governação e apenas aquelas que se anteciparem e criarem condições, investindo em novas tecnologias suportadas em redes de banda larga, sofrerão menos os efeitos negativos da pandemia e muito rapidamente retomarão o seu curso de crescimento, sem esquecer a mudança de paradigmas já referidos, que estarão associados às questões tecnológicas.
Empresas como a Google e Cisco, pela natureza da sua actividade, estarão com certeza muito próximas do novo paradigma de actuação e como consequência terão mais condições técnicas e funcionais para a reinvenção e terão de estar sujeitas diante do novo ecossistema criado pela pandemia da Covid-19.
Deste modo é primordial que se equacione, com a urgência que a situação exige, uma reflexão profunda sobre esta matéria para que as nossas empresas não fiquem excluídas deste momento de necessária modernização e investimentos nas Telecomunicações e Tecnologias de Informação (T/TIC) que, com certeza o pós-Covid-19 vai exigir para bem à nossa economia.

* Engenheiro de Telecomunicações

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Opinião