Regiões

Novo hospital do Tomboco fica pronto em Fevereiro

Fernando Neto | Mbanza Kongo

Jornalista

Um hospital, com capacidade para 90 camas, em construção, na sede municipal do Tomboco, província do Zaire, entra em funcionamento, no próximo mês de Fevereiro, apurou o Jornal de Angola, durante uma visita que o governador Adriano Mendes de Carvalho efectuou à região.

05/11/2022  Última atualização 09H15
Assistência médica e medicamentosa mais reforçada com a conclusão do hospital © Fotografia por: Garcia Mayatoko | Edições Novembro
A infra-estrutura social, cujas obras tiveram início em Novembro de 2011, está a ser construída com fundos do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM), num valor global de 709.970.126,54 kwanzas.

Projectado numa área de 100 metros quadrados, a unidade sanitária vai dispor de várias áreas assistenciais, entre as quais banco de urgência e consultas externas (Pediatria e Medicina).

O estabelecimento vai dispor, igualmente, de uma área para a realização de partos, equipada com bloco operatório para pequenas cirurgias, além de uma morgue com seis gavetas, serviços que vão evitar a transferência constante de doentes para o Hospital Provincial do Zaire, em Mbanza Kongo.

Actualmente, segundo informações dadas ao governador, no encontro com os membros do Conselho Municipal de Auscultação Social, o Tomboco enfrenta uma carência de técnicos de laboratório nos três centros de saúde e 13 postos instalados nas comunas de Kinsimba e Kinzau.

Os membros do Conselho informaram, ainda, que a situação tem obrigado a transferência, quase que diária, de doentes para o actual Hospital Municipal, com capacidade de 50 camas, sobretudo quando há escassez de testes rápidos de malária.

A falta de medicamentos, nalgumas ocasiões, nas unidades clínicas da região é outro problema. Mas, denunciaram o facto de, às vezes, a população ser obrigada a contribuir nas despesas de combustível para as ambulâncias que transportam os   familiares para o Hospital Provincial.

Questionado pelo governador, o director municipal da Saúde, no Tomboco, Mabakansoni Manuel, justificou a carência de medicamentos nas unidades sanitárias, com o argumento de  serem insuficientes as quantidades recebidas da Direcção Provincial do sector e da Administração local.

"Por esta razão, a nossa prioridade tem sido o Banco de Urgência e os serviços de cuidados primários de saúde”, explicou Mabakansoni Manuel.

Tomboco, com uma população estimada em 40.025 habitantes, tem 16 unidades sanitárias e um rácio à razão de 561 habitantes por uma cama e um médico para 3.835 pessoas, segundo dados apresentados pelo administrador municipal, Alberto dos Santos.

Outros serviços

Os participantes ao encontro defenderam, ainda, a necessidade de o Governo local incentivar as instituições bancárias para a cedência de créditos, com vista a impulsionar as iniciativas de empreendedorismo.

A instalação de um centro de formação técnico-profissional para a capacitação dos jovens da região é outra necessidade apresentada ao governador.

Adriano Mendes de Carvalho garantiu que as autoridades vão envidar esforços no sentido de, num curto espaço de tempo, resolver o problema de abastecimento de água potável e de assistência médica e medicamentosa.

Quanto às duas áreas que considerou prioritárias; saúde e água, o governador referiu que o PIIM vai ajudar a terminar as obras do novo Hospital Municipal, que tem uma execução financeira na ordem dos 80 por cento e a física em 60 por cento.

Além do futuro hospital Hospital Municipal, Adriano Mendes de Carvalho anunciou a retoma, nesta semana, das obras de construção de um centro materno-infantil, que estão paralisadas há seis anos.

Essa obra foi, agora, enquadrada no PIIM, sendo que a conclusão está prevista para dentro de três meses, sem, contudo, terem sido revelados os montantes aplicados na empreitada. 

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Regiões