Economia

Novas fábricas de materiais eléctricos arrancam em 2021

António Eugénio

Jornalista

Angola vai contar, a partir do próximo ano, com duas novas fábricas no Pólo Industrial de Viana, para a feitura de cabos eléctricos domésticos, industrial, de aço e pregos, resultante de um investimento de mais de cinco milhões de dólares da empresa Karam Industrial.

20/11/2020  Última atualização 13H45
© Fotografia por: DR
A informação foi avançada ontem, em Luanda, ao Jornal de Angola pelo director Técnico da firma, Shadab Husam, tendo garantido que com o novo investimento, a empresa pretende aumentar os níveis de produção na ordem de 40 toneladas por dia contra as actuais 25. 
A injecção do novo investimento que começa no primeiro trimestre deste ano vai  gerar 600 novos postos de trabalho que serão distribuídos em turnos para garantir a produção da unidade durante 24 horas ininterruptas.O aumento de fornos industriais para elevar a produção de alumínio, dada a sua procura pelos clientes, consta do leque do novo pacote a ser implementado."Nós precisamos de aumentar a produção do alumínio, pregos e cabos eléctricos. Os nossos produtos são consumidos até no exterior e isso deixa-nos mais satisfeitos”, disse.

O director Técnico adiantou que a produção do material eléctrico produzido na unidade fabril, localizada no Pólo Industrial de Viana, resulta de um investimento feito avaliado em mais de 2 milhões de dólares.A matéria-prima para garantir o material fabricado na unidade, segundo a fonte, tem resultado na reciclagem de latas recolhidas por pessoas anónimas que, posteriormente, fazem a venda àquela unidade.Um outro segmento a ser implementado nos próximos tempos vai incidir sobre o fabrico de contraplacado para reduzir a quantidade de madeira exportada a grosso. Neste segmento, o gestor vai contar com madeireiros nacionais legalmente autorizados para fornecerem  a matéria-prima. 

Com a unidade industrial instalada no Pólo de Desenvolvimento Industrial de Viana, numa área de cinco hectares e um investimento inicial na ordem dos três milhões de dólares, a Karam Industrial emprega 470 trabalhadores, 95 por cento dos quais de nacionalidade angolana. Para assegurar um funcionamento eficiente e auto-suficiência em termos de matéria-prima, a empresa conta com 28 pontos de recolha de sucatas na província de Luanda, e já está presente em Cabinda e Benguela.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia