Coronavírus

Novas estirpes reforçam regras sanitárias em Luanda

Edivaldo Cristóvão

Jornalista

As autoridades sanitárias vão reforçar, a partir de amanhã, as medidas de segurança ao redor da cerca sanitária em Luanda, devido ao aumento de novas estirpes em várias províncias do país.

08/06/2021  Última atualização 09H00
© Fotografia por: DR
Esta posição foi avançada, ontem, em Luanda, pelo ministro de Estado e chefe da Casa Civil do Presidente da República, Adão de Almeida, durante a actualização das Medidas Excepcionais e Temporárias da Situação de Calamidade Pública, que passa a vigorar de 9 de Junho a 9 de Julho.
Adão de Almeida disse que o propósito é reduzir as entradas e saídas de pessoas em Luanda, por ser a região mais afectada do país e que mais viola o cumprimento das regras de prevenção.Segundo Adão de Almeida, com o agravar das medidas na cerca sanitária de Luanda, vai ser dada apenas prioridade a entradas de bens e serviços, pessoas doentes e que precisam de assistência médica fora da capital, viagens de serviço, com guias de emissão, para desta forma travar a exportação do vírus.Alertou que as novas variantes, fundamentalmente a inglesa, já chegaram às províncias do Bengo (2), Cunene (5), Cabinda (1), Cuanza-Norte (7), Cuanza-Sul (2), Huíla (13), Huambo (4) e Malanje (1). A província de Luanda é a única com circulação comunitária das novas estirpes, sendo 70 por cento da variante inglesa.
O ministro de Estado e chefe da Casa Civil do Presidente da República referiu que havendo necessidade de assegurar o equilíbrio entre a saúde pública e a salvaguarda dos interesses económicos dos cidadãos, continua a ser obrigatório o uso da máscara facial em locais públicos, o recolhimento domiciliar das 22H00 às 5H00 da manhã, o encerramento das fronteiras terrestres e aéreas, excepto em casos excepcionais, como entrada e saída de carga, mercadoria, ajuda humanitária e transladação de cadáveres sem morte por Covid-19.Como nova medida, o Decreto estabelece que, além do teste pré-embarque, os cidadãos devem fazer o pós-desembarque, mas desta vez com uma comparticipação, devendo o percentual de pagamento ser atribuído pelos Ministérios da Saúde, Finanças e dos Transportes.
Medidas de prevenção
Para os cidadãos nacionais e estrangeiros residentes, provenientes do exterior do país e que não testem positivo para SARS-Cov-2 no teste pré-embarque, é obrigatória a observância de quarentena domiciliar.Os cidadãos sujeitos à quarentena domiciliar são obrigados a assinar um termo de responsabilidade. Nos termos definidos pelas autoridades sanitárias, só é considerada concluída a quarentena domiciliar com a emissão de um título de alta, após a realização do teste SARS-Cov-2 com resultado negativo.
A quarentena domiciliar passa agora a durar dez dias. Enquanto durar o isolamento, os cidadãos devem permanecer em casa e observar as medidas de protecção individual, nos termos definidos pelas autoridades sanitárias.A violação do isolamento domiciliar dá origem à responsabilização criminal nos termos da lei, sem prejuízo da colocação compulsiva do infractor em isolamento institucional e de aplicação de multa, que varia entre os 250.000 kwanzas e 300.000 kwanzas.
Os serviços públicos devem funcionar no período das 8h00 às 15h00, na província de Luanda, com a presença de 50 por cento da força de trabalho e nas demais províncias com 75 por cento da força de trabalho.A totalidade da força de trabalho deve ser apenas permitida em serviços portuários, aeroportuários, delegações aduaneiras, Órgãos de Defesa e Segurança, Saúde, comunicações electrónicas, Comunicação Social, Energia, Águas e recolha de resíduos.Os serviços privados podem funcionar das 6h00 às 16h00, sendo em Luanda com a presença de 50 por cento da força de trabalho e nas outras províncias com 75 por cento.
O Decreto Presidencial sobre a Situação de Calamidade Pública refere, ainda, que o exercício da actividade comercial de bens e serviços em geral, incluindo cantinas e similares, deve ser feita das 7h00 às 18h00.Os restaurantes e similares mantêm-se em funcionamento para atendimento no local, de segunda-feira a sexta-feira, das 6h00 às 18h00, ficando encerrados aos fins-de-semana, atendendo apenas serviços de take away até às 20h00.
82 casos positivos  e três mortes
Angola registou, nas últimas 24 horas, 82 novos casos positivos da Covid-19, três óbitos e 449 pacientes foram recuperados.De acordo com os dados divulgados, ontem, pela ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, dos 82 casos positivos, 49 são residentes em Luanda, 11 na Huíla, sete no Cuando Cubango, quatro no Huambo, três no Bié, dois no Zaire, dois em Cabinda, dois no Cuanza-Norte e também dois em Malanje.
Os novos pacientes infectados têm idades compreendidas entre 3 e 83 anos, sendo 56 do sexo masculino e 26 do sexo feminino.Segundo Sílvia Lutucuta, as mortes são de três cidadãos angolanos, um do sexo masculino e dois do sexto feminino, das quais duas pessoas residiam na Huíla e uma em Luanda, com idades compreendidas entre 48 e 86 anos.Em relação aos 449 pacientes recuperados, 315 são residentes em Luanda, 61 no Cuando Cubango, 27 no Huambo, 18 no Namibe, 11 na Huíla, cinco no Zaire, três em Benguela, três no Cuanza-Sul, dois  no Cunene, dois no Bengo , um no Bié e outro na Lunda-Norte, com idades compreendidas entre 1 e 87 anos.
Sílvia Lutucuta informou que com os dados divulgados ontem, o quadro epidemiológico da pandemia no país subiu para 35.854 casos positivos, dos quais 29.329 pacientes recuperados, 800 óbitos e 5.725 activos. Do total dos casos activos, 11 estão em estado crítico, 26 graves, 155 moderados, 15 leves e 5.518 assintomáticos.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Coronavírus