Economia

Nova linha de financiamento é concedida pelo DeustchBank

Uma linha de financiamento do DeustchBank, estimado em um mil milhão de dólares, vai ser disponibilizada para crédito ao sector privado pelo Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA) com o apoio do Ministério das Finanças.

11/07/2019  Última atualização 07H54
Eduardo Pedro |?Edições Novembro © Fotografia por: Ministro de Estado ao anunciar o financiamento alemão

A informação foi avançada na manhã de hoje pelo ministro de Estado para a Coordenação Económica, Manuel Nunes Júnior, quando presidia à cerimónia de abertura da Conferência Internacional sobre Financiamento do Desenvolvimento Económico, enquadrada no programa da 35ª edição da Feira Internacional de Luanda, a decorrer, até sábado, na Zona Económica Especial (ZEE) Luanda-Bengo, em Viana.
No seu discurso, Manuel Nunes Júnior não detalhou o que tornou o público, tendo dado, por outro lado, ênfase à assinatura de um Memorando de Entendimento entre o Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) e os governos de Angola e de Portugal, acto realizado depois da sua intervenção.
O governante acentuou que o memorando é destinado ao “desenvolvimento de uma iniciativa do Banco Africano de Investimento, denominada “Compacto para o Financiamento do Desenvolvimento dos Países de Língua Portuguesa em África”, para financiar projectos privados e projectos de parcerias público-privadas”.
O ministro de Estado acrescentou que “estas são as reais oportunidades de financiamento que se abrem ao desenvolvimento do sector privado em Angola” e reconheceu que o acesso ao crédito é uma condição necessária, mas não suficiente para a eficiência dos investimentos.

Relações de parceria

O governante defendeu que, além do acesso ao crédito, é “muito importante” que os empresários nacionais estabeleçam relações de parceria estratégica com os de outros países, por serem possuidores de know-how e de tecnologia avançada, para que Angola possa rapidamente ter acesso ao que de melhor o Mundo lhe pode proporcionar nos domínios empresarial e da tecnologia.
“Por isso, o investimento privado estrangeiro será sempre bem-vindo com vista a aportar ao nosso país não só o capital financeiro, mas, sobretudo, know-how e a tecnologia”, declarou o ministro de Estado para a Coordenação Económica.

Investimentos rentáveis


Manuel Nunes Júnior reconheceu que a existência de energia eléctrica, água potável, vias de acesso, entre outras condições, “são essenciais” para que os investimentos do sector privado sejam rentáveis.
Mas, segundo o ministro de Estado, o Executivo tem de contar com outras modalidades de financiamento, com vista a diminuir os níveis de endividamento do país, devendo, na sua opinião, ser dada uma atenção especial às parcerias público-privadas como forma de financiamento de despesas públicas, capaz de promover o aumento da produção nacional e da competitividade dos produtos nacionais.
Para a conferência internacional, que termina amanhã, foram convidados especialistas de vários países com experiência no estabelecimento de parcerias público-privadas e na estruturação de financiamento às empresas do sector privado.
Aos especialistas convidados Manuel Nunes Júnior disse que “o Executivo de Angola está para aprender convosco, de modo a criarmos em Angola uma economia menos dependente do petróleo, uma economia sustentada e capaz de garantir a prosperidade dos angolanos”.
hoje de manhã, o programa reservou à discussão do tema “Investimento, empresariado privado e sua contribuição para a retoma do crescimento em Angola”, dissertado pelo ministro da Economia e Planeamento, Pedro Luís da Fonseca, e à assinatura do Protocolo do Compacto Lusófono. À tarde, foram abordadas, num único painel, as experiências internacionais relativas aos Modelos de Unidades de PPP (Parceria Público-Privada).
Hoje, as discussões vão estar à volta do Projecto de Apoio ao Crédito (PAC) e dos produtos e serviços das entidades multilaterais. Amanhã, último dia da conferência internacional, vão ser apresentados “temas aceleradores do desenvolvimento económico”.

Prodesi precisa de dinheiro

O ministro da Economia e Planeamento informou, ontem, na Feira Internacional de Luanda (Filda), em Viana, província de Luanda, que o Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição de Importações (Prodesi) reclama por disponibilidade de recursos financeiros para colocar à disposição do sector privado, na qualidade de motor do crescimento económico.
Pedro Luís da Fonseca, que falava na abertura do programa da Conferência Internacional sobre Financiamento do Desenvolvimento Económico, adiantou que Angola foi remetida para uma situação de grande vulnerabilidade, cuja reversão o Executivo pretende com a implementação do Plano de Desenvolvimento referente ao período 2018-2022 e do Prodesi.
“O Investimento é uma componente inultrapassável do crescimento económico, por um lado, enquanto variável da procura agregada da economia e, por outro, como elemento da função de produção global”, salientou o ministro.
Na abertura da conferência, presenciada pela Primeira-Dama da República, Ana Dias Lourenço, interveio também o ministro de Estado para a Coordenação Económica, Manuel Nunes Júnior, um dia depois de ter presidido à cerimónia de abertura da Feira Internacional de Luanda (Filda), em representação do Presidente da República, João Lourenço.
Também, nesta qualidade, Manuel Nunes Júnior presidiu à abertura da conferência internacional, na qual apresentou o que considerou “algumas notas sobre o sector privado e o desenvolvimento de Angola, com realce para o aumento do crédito à economia, as infra-estruturas e o know how”.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia