Economia

Nota de 2.000 entra em circulação a partir de hoje

A nota de 2.000 kwanzas, da “Séérie 2020”, entra em circulação hoje, nas comemorações do Dia da Independência Nacional, e junta-se às já disponíveis 200, 500 e 1.000.

11/11/2020  Última atualização 00:00
BNA assegura que a emissão da nova cédula não vai provocar inflação de preços do mercado © Fotografia por: Edições Novembro
Com esta emissão, o Banco Nacional de Angola (BNA) cumpre a calendarização de introdução para este ano, restando para o dia 1 de Janeiro de 2021 a vez da nota de 5.000 kwanzas, a última de circulação livre.
Depois disso, o momento económico e as operações monetárias vão ditar se o banco central faz circular ou não a nota de 10.000 kwanzas, também autorizada pela Assembleia Nacional.

Apesar da entrada das notas da "Série 2020”, as de 2012 são válidas e a sua substituição ocorrerá de forma automática, ou seja, quando as actuais notas em descontinuidade entram para o circuito bancário, são retidas.
Todavia, segundo fez saber o BNA, isso não implica que as caixas automáticas (Multicaixas) ou mesmo nos balcões das agências deixem de entregar já já as cédulas em processo de substituição.

"O processo de substituição é paulatino, seguro e ri-goroso”, segundo declarações anteriores ao Jornal de Angola do director do Departamento de Meio Circulante do BNA.

Sebastião Banganga fez saber, na ocasião, que o banco central introduz no circuito monetário notas em quantidade aceitável, sempre visando a manutenção do equilíbrio monetário e a facilitação diária das operações de compra e venda de bens e serviços.
Recordou que, tratando-se de um dia de Feriado Nacional, as novas notas de 2.000 kwanzas poderão ser levantadas nos terminais de multicaixas e a partir dos dias posteriores nos balcões das agências bancárias e delegações regionais do BNA.

Processo credível

Em Julho, proprianente no dia 7, quando procedeu ao lançamento público das notas, o governador do Banco Nacional de Angola, José de Lima Massano, disse que a entrada das novas notas seria feita de modo progressivo, a partir do dia 30 de Julho, com a introdução da nova nota de 200 kwanzas. 
  
Em 17 Setembro foi introduzida a nota de 500 kwanzas, a 1 de Outubro a de 1.000 kwanzas e agora a 11 de No-vembro entra em circulação a de 2.000 kwanzas. Está prevista para 1 de Janeiro de 2021 ser a vez da nota de 5.000 kwanzas, em conformidade com a Lei nº 7/20, de 30 de Março, que autoriza a respectiva emissão e colocação em circulação.

"A Série 2020 de notas do Kwanza foi inspirada na grandeza da Angola independente, nas paisagens de beleza única e elementos da identidade cultural, tendo como imagem central e comum a todas a efígie de António Agostinho Neto, primeiro Presidente da República de Angola”, disse.

As notas de 200, 500, 1.000 e 2.000 kwanzas são produzidas em substracto de polímero, um material que se assemelha ao plástico, e integram elementos inovadores de alta segurança.

Assim, as novas notas oferecem maior durabilidade média, isto é, quatro vezes superior à das tradicionais notas de papel. A nota de 5.000 kwanzas é feita em substracto de algodão, igualmente com a incorporação dos correspondentes elementos de segurança.
Segundo o governador José de Lima Massano, com o polímero tem-se não apenas a novidade de notas em novo material, mas também a possibilidade de maior comodidade no uso e poupança financeira na gestão do meio circulante.

As moedas metálicas da Série 2012 (que circulam actualmente), por manterem características de segurança por períodos mais longos, deverão permanecer em circulação no mercado sem quaisquer alterações.

Para o BNA, a nova série de notas de Kwanza simboliza o percurso de Angola como país independente e soberano, valorizando a história e almejando um futuro melhor. Apesar das novas notas serem produzidas em material mais resistente, deve-se sempre manuseá-las com cuidado para que os ganhos sejam duradouros, recomendou o governador do Banco Nacional de Angola.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia