Cultura

“Mural Cultural” em Luanda dá boas-vindas aos passageiros

Gaspar Micolo

Uma gigantesca imagem da Palanca Negra Gigante desenhada no muro de vedação do Aeroporto Internacional “4 de Fevereiro” de Luanda reflecte-se no chão. Os aviões dão a fotografia do mamífero a quem chega ou parte. É o “Mural Cultural” que retrata Angola para os passageiros.

27/07/2022  Última atualização 08H10
Pintura urbana no muro de vedação do Aeroporto Internacional “4 de Fevereiro” transmite outra imagem aos transeuntes © Fotografia por: Dr

Inaugurado, recentemente, pelo ministro dos Transportes, Ricardo D’Abreu, o mural do Aeroporto Internacional "4 de Fevereiro”, em Luanda, conta, além da emblemática Palanca Negra Gigante, com outras pinturas artísticas que retratam a fauna, flora, artes, moda e beleza angolanas. Num muro de 150 metros quadradros, os artistas urbanos Oksanna Dias, Lopes Capita, Boesta, Solitário Desenhista e Diangani André, coordenados pelo  muralista Thó Simões, fizeram em seis semanas um retrato daquilo que se pode dar a conhecer de Angola para o Mundo.

Thó Simões, reconhecido artista plástico nacional, é o autor do projecto "Mural Cultural”, solicitado pela Sociedade Gestora de Aeroportos (SGA), tendo sido apresentado no âmbito do terceiro aniversário da companhia, que se celebrou a 1 de Julho.

Um dos precursores da arte urbana em Angola, o muralista justifica ao Jornal de Angola o desafio colocado. "Fui convidado a assumir este desafio por conta do meu Portefólio na área do muralismo, e das características dos meus trabalhos anteriores que são muito apreciados”, assegura o artista, autor do conhecido mural que eterniza referências da música angolana, à Ilha de Luanda.

Nascido na província de Malanje, em 1973, Thó Simões pinta, faz colagens, cria arte urbana e digital, performance, instalações, filmes e fotografias e, por isso, quando pensou na proposta não hesitou em construir um mural diversificado.

Numa fase inicial, o pintor e grafiteiro dividiu o mural em três temas, retratando os penteados dos povos hereros do Sul do país; a fauna e a flora (com ilustrações da Palanca Negra Gigante) e a planta Welwitschia Mirabilis; e a escultura da região Lunda-Tchokwe, representada por máscaras.

Este mural foi estrategicamente escolhido para a pintura das imagens por ser um dos primeiros contactos dos passageiros do aeroporto com Angola, permitindo logo após a aterragem uma im-pressão da cultura do país. "Os murais visam por um lado reestruturar e melhorar a imagem do Aeroporto e, por outro lado, destacar a arte, a cultura e as belezas naturais de Angola”, diz Thó Simões, para quem o projecto não vai ficar por aqui. "Vamos continuar”, garante, orgulhoso do resultado.

É que ainda há muito por pintar. São 400 metros quadros ao todo, dos quais 150 agora pintados, que deve ocupar os artistas por mais algum tempo quando regressarem da pausa. "A ideia foi logo, à partida, enaltecermos Angola e chegamos a este conceito de representar por temas à arte e cultura, a fauna e flora, a moda e beleza do país. Muitos de nós sente essa necessidade de trazer ao de cima a memória de quem nós somos para não nos perdermos nesse mundo globalizado”, explica Thó Simões, lembrando que outros aspectos da cultura angolana serão ainda representados ao longo da vedação do aeroporto.

 

  Ministro Ricardo D'Abreu elogia iniciativa artística

 

Depois de inaugurar o mural, uma exposição gráfica dedicada à "Ancestralidade e Tecnologia” e lançar um projecto social denominado "Geração de Sonhos”, todos de projectos da SGA, Ricardo D'Abreu felicitou a iniciativa, afirmando que estes projectos são importantes na divulgação da cultura angolana e da sua identidade.

"Eu acho que a SGA tem uma oportunidade única de aliar, quer a sua competência a nível dos serviços que presta, mas também aproveitar para promover a ideia de que Angola é uma grande potência cultural e com uma grande diversidade neste domínio, que pode ajudar nas várias dimensões da economia, da sociedade e obviamente da cultura”, afirmou o titular da pasta dos Transportes.

Entretanto, a SGA planeia agora estender o projecto dos murais a todos os aeroportos nacionais que se encontrem sob a sua gestão.

Já Thó Simões considerou a oportunidade de poder participar neste projecto como uma honra. "Nós começámos em princípio de uma forma experimental e chegámos até o mural que testemunhamos, com diversos temas”, afirmou o artista.

"A ideia é maravilhosa e desafiante, representar ao longo de um muro longuíssimo aspectos de realce da cultura, da fauna da flora, da moda e beleza do folclore angolano”, diz, notando que, para conseguir fazer bem e no pouco tempo, contou com colaboração de cinco jovens artistas fantásticos, aos quais agradece a dedicação e empenho.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Cultura