Cultura

Morenas de Cá e de Lá num palco intimista

Analtino Santos

Jornalista

Selda e Carla Moreno - uma “Morena de Cá” (Angola) e a outra “Morena de Lá” (Cabo-Verde) -, proporcionaram no início do mês um concerto que agradou a todos. As cantoras passearam pelas várias tendências musicais: World Music, Bossa-Nova, Coladera, Morna, Soul, R and B, Kizomba e Semba.

19/09/2021  Última atualização 10H19
© Fotografia por: Joao Gomes | Ediçoes Novembro
O concerto foi marcado por temas e artistas que influenciaram as cantoras. "Renúncia”, original de André Mingas em dueto com a sobrinha Katila, e "Mufete”, música que fechou o concerto, mostraram esta inclinação. Da diva da Soul Withney Houston, muito presente no reportório das duas cantoras, interpretaram o tema para pista "Love somebody” e a romântica "I look to you”. Ainda recorreram a "Um puro amor” de Djavan e de Sara Tavares uniram povos e nações em "One love”. Curioso: 15 foram os anos que Carla Moreno foi corista de Sara Tavares, o mesmo período que Selda interpretou temas da cantora portuguesa.


Teve outro regresso à base, ainda com alma crioula, em "Padoce de céu azul” e "Sodade”, ambas Mornas que aquecem os corações angolanos. Outras canções marcantes que as artistas fizeram questão de interpretar em palco foram "Humbi Humbi”, do cancioneiro popular e "Velha Xica” e "Inocenti” de Paulo Flores (a última num dueto de Carla Moreno com Phathar Mac).  "Palavras Doces”,  "E se fora eu” e "Morena de cá” foram outros sucessos das protagonistas da noite que não ficaram de fora.


Selda e Carla Moreno estiveram no seu melhor, assim como o quarteto Miqueias Ramiro, Mário Gomes, Kappa D e Yasmane Santos. Miqueias, desde o primeiro tema mostrou que não estava para brincadeiras, entrando com belas harmonias e rasgos jazzísticos nos arranjos, soltando a sua voz e dedilhando no piano em "Velha Xica”.

Em "Bonguinha”, instrumental de Betinho Feijó, também fez um dueto, desta feita com o guitarrista Mário Gomes, que mostrou muita seriedade nos solos em temas como "Um puro amor” e "Love somebody”. Nota máxima para ele. Kappa D nos baixos, retomando notas e arranjos ao estilo de Kinito Trindade, baixista fundamental nas obras de André Mingas "Renúncia”, "Mufete” e outras, fez viajar a audiência para o tempo da memória e da saudade. O cubano angolanizado Yasmane Santos deu a carga percussiva e entrou no momento de inspiração dos colegas com uma autêntica "percuteria”, combinando bem as peças da bateria com as congas, timbales, tambores e outros elementos percussivos.


Manos Vieira Dias homenageados

Ana Maria Tomás Vieira Dias e Manuel Tomás Vieira Dias foram os homenageados da noite, pelo trabalho de quase toda uma vida em prol do Ballet Tradicional Kilandukilo, uma das formações artísticas mais internacionais do país. A dupla de irmãos há mais de 37 anos faz diplomacia cultural com a dança. Figueira Ginga e Chalana Dantas reconheceram os feitos dos manos Vieira Dias que ficaram surpreendidos com a homenagem.



Márcio Batalha e Ângelo Ramos


Seguramente a estreia do Duetos N’Avenida no Memorial ficará marcada pela actuação dos declamadores Márcio Batalha e Ângelo Ramos, que apostaram nas criações do Poeta Maior. Do homem que criava com os olhos secos, os poetas e declamadores optaram por declamar "Adeus à hora da largada”, "Contratado”, "Confiança”, "Kalunga”, "Choro de África” e "Havemos de voltar”. É importante frisar que a obra poética de Agostinho Neto tem inspirado gerações de escritores e vezes sem conta é revisitada na música e noutras manifestações artísticas.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Cultura