Mundo

Moçambique: Ministro sem certezas sobre retoma de megaprojecto de gás em 2022

O ministro da Economia e Finanças de Moçambique disse esta quinta-feira (26) não poder garantir que o megaprojecto de gás seja retomado ainda este ano, mas afirmou haver sinais positivos da parte dos parceiros no negócio.

26/05/2022  Última atualização 18H49
Max Tonela, Ministro da Economia e Finanças de Moçambique © Fotografia por: DR

Não posso dizer com certeza, depende da evolução "da situação de segurança na região ", mas há um sinal positivo por parte dos concessionários e uma expectativa tendo em conta o que está a verificar-se na realidade e há visitas frequentes por parte do operador”, afirmou Max Tonela à Lusa, quando questionado sobre se o megaprojeto da Total, suspenso há um ano devido aos ataques em Cabo Delgado, será retomado este ano.

Em declarações à Lusa à margem dos encontros anuais do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), em Accra, o ministro adiantou por outro lado que a primeira exportação do projecto da central de produção de gás natural liquefeito no mar, na bacia de Rovuma, está prevista para o início de Outubro.

"A plataforma já está nas águas moçambicanas. Está em processo de instalação e ligação aos seis poços. Nós esperamos que a produção comece de forma gradual, e que a primeira operação de exportação aconteça no início do mês de Outubro deste ano”, altura em que a plataforma estará já a operar na sua capacidade total, explicou.

Segundo Tonela, este avanço "vai contribuir já para o aumento das receitas, sobretudo das exportações”.

Sobre o processo interrompido pela acção terrorista, o ministro disse que "há trabalho a correr com os concessionários, o Governo mantém um contacto permanente”.

"Estamos em conjunto a avaliar o progresso do processo de estabilização, portanto, da melhoria das condições de segurança. Há uma leitura positiva por parte dos parceiros”, referiu, acrescentando que o Governo está a tentar "criar condições para que, de forma segura, quer as populações, quer os projectos possam prosseguir o mais cedo possível”.

"A decisão vai ser tomada em função dos desenvolvimentos que vão ocorrer nestas matérias nos próximos meses”, frisou.

Questionado sobre o financiamento do esforço militar em Cabo Delgado, cuja dimensão 275 milhões de euros por ano levou o Presidente moçambicano a pedir ajuda internacional em Março, o ministro explicou que o Governo tem estado a trabalhar no sentido de mobilizar recursos para assegurar que a missão seja implementada com êxito, na medida em que também a capacidade da actuação das forças moçambicanas for sendo adequada à realidade da luta contra o terrorismo.

O projecto do Rovuma, liderado pela Total, era o maior investimento privado em África até ser suspenso em Março devido aos ataques armados em Cabo Delgado.

A província de Cabo Delgado é rica em gás natural, mas aterrorizada desde 2017 por rebeldes armados, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo