Mundo

Ministros querem adeptos de risco sob forte vigilância

Os ministros da Justiça da União Europeia (UE), reunidos, ontem, sob a presidência portuguesa, reclamam uma monitorização apertada dos adeptos de risco durante o Europeu de futebol, sublinhando que o formato da competição já constitui “um desafio único à segurança” .

08/06/2021  Última atualização 11H25
© Fotografia por: DR
Num Conselho presidido pela luso-angolana Francisca Van-Dúnem, no Luxemburgo, os ministros da Justiça da UE adoptaram conclusões sobre violência relacionada com desporto, nas quais destacaram "a relevância da cooperação policial e do intercâmbio de informações” durante a próxima grande prova continental, o Euro2020, entre 11 de Junho e 11 de Julho em 11 países europeus, "para garantir uma competição segura e protegida”.

Os responsáveis da Justiça dos 27 apontam que "o novo modelo escolhido pela UEFA” para o Euro2020 - adiado para este ano devido à pandemia da Covid-19 - "coloca, por si só, um desafio único à segurança, uma vez que a competição terá lugar em 11 cidades europeias simultaneamente”.O Conselho da UE argumenta, por isso, que "a monitorização do movimento de adeptos de risco - ou seja, potencialmente problemáticos - pode ser vital para prevenir a desordem pública e a actividade criminosa associada”.

Deste modo, os ministros da Justiça da UE apelam a "uma cooperação internacional eficaz através do destacamento de observadores especializados na aplicação da lei, bem como outros agentes de ligação” e o recurso a plataformas digitais para a troca de informação."O Conselho salienta a necessidade dos Estados-membros aumentarem a avaliação dos adeptos de risco, especialmente aqueles com ideologias extremistas, de modo a identificar, prevenir e limitar possíveis actividades hostis e criminosas durante eventos desportivos internacionais”, lê-se nas seis páginas de conclusões ontem adoptadas.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo