Política

Ministro esclarece condições do registo eleitoral na diáspora

O ministro da Administração do Território, Marcy Lopes, esclareceu, segunda-feira, à comunidade angolana residente em Lisboa, a forma como vai decorrer o registo eleitoral presencial no estrangeiro, que decorre de Janeiro a Março do próximo ano.

20/10/2021  Última atualização 11H11
© Fotografia por: DR
Marcy Lopes, que está em Portugal desde segunda-feira, informou que o registo no estrangeiro será mediante a apresentação do Bilhete de Identidade (BI), ainda que caducado.

De acordo com o titular da pasta da Administração do Território, todos os angolanos residentes no exterior poderão exercer o seu direito de voto, mas isso só será possível se realizarem o registo oficioso.


O ministro esclareceu, ainda, que, nos países sem missões diplomáticas, os cidadãos não poderão fazer o registo oficioso.
Marcy Lopes apelou a todos os angolanos a participarem do registo oficioso, para que contribuam na "festa da democracia".

Para Carlos Gonçalves,  jornalista angolano residente em Lisboa, o processo é de extrema importância, porque os concidadãos, residentes em Portugal, poderão ter a oportunidade de eleger o Presidente.


Citado pela Angop, Carlos Gonçalves lembrou ter sido sempre  vontade dos angolanos na diáspora participar das eleições, o que se pode tornar realidade com a nova legislação sobre o registo eleitoral oficioso.

Estiveram presentes no encontro, que decorreu no Consulado-Geral de Angola em Lisboa, o embaixador Carlos Alberto Fonseca, representantes de organizações juvenis e religiosas, entre outros convidados.
No quadro da deslocação a Portugal, Marcy Lopes vai, hoje, à cidade do Porto, onde reúne com a comunidade angolana aí residente.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Política