Mundo

Ministra impede casamentos envolvendo meninas

A ministra de Género e Cultura de Uganda, Peace Mutuuzo, cancelou pelo menos sete casamentos envolvendo meninas, incluindo o de uma menina de 9 anos do distrito de Sembabule.

30/11/2022  Última atualização 08H20
© Fotografia por: DR
"O rapto de meninas para o casamento é desenfreado. Nos últimos meses, desorganizei cerca de sete casamentos envolvendo meni-

nas muito jovens, sendo o mais recente de uma de 9 anos, do distrito de Ssembabule”, disse Mutuuzo, durante um simpósio organizado, na sexta-feira, em Kampala, pelo Ministério de Género.

"O homem havia colocado um veículo V8 no complexo e o casamento estava acontecendo na casa dos pais da menina em Ssembabule. Alguém me avisou sobre isso. Eu imediatamente fui lá e parei o casamento e pedi à polícia para assumir o controlo , detalhou. Peace Mutuuzo disse ainda que a prática de as famílias obrigarem as filhas menores a casar em troca de gado é generalizada nas comunidades pastoris.

"Algumas poucas mulheres aparecem nos bastidores e informam secretamente aos responsáveis que seus maridos estão planejando casar suas filhas pequenas. Quando você se casar com uma criança de 9 anos, que tipo de parceiro você terá para debater com questões de importância nacional?”, questionou a ministra.

A Constituição do Uganda de 1995 e a Lei da Criança (2016) estabelecem que a idade mínima legal para o casamento é de 18 anos.

As leis não permitem que menores de idade se casem. De acordo com a Constituição, criança é o menino ou menina com menos de 18 anos. A Constituição também estabelece que o casamento deve ser celebrado com o livre consentimento do homem e da mulher que pretendem se casar.

Em Junho, o Governo lançou uma estratégia nacional para acabar com o casamento infantil e a gravidez na adolescência no país até 2026.

A estratégia, desenvolvida pelo Ministério de Género, Trabalho e Desenvolvimen-to Social, concentra-se em quatro áreas principais: educação, resiliência e meios de subsistência, saúde e nutrição e protecção infantil.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo