Economia

Minimizada avaliação sobre curso do kwanza

Uma fonte do Jornal de Angola minimizou uma avaliação do norte-americano Bank of America Merrill Linch que considera o kwanza como a moeda que mais se depreciou este ano depois do peso argentino, afirmando que a análise é precipitada e não tem em conta as variáveis do mercado internacional de câmbios.

20/10/2018  Última atualização 07H35
Maria Augusta | Edições Novembro © Fotografia por: Sobrevalorização do kwanza resulta no juste do câmbio

Nesse mercado, o peso argentino perdeu, no cômputo do ano, 52,32 por cento diante do dólar, mesmo assim, muito abaixo do bolivar, da Venezuela, o que não faz o kwanza a segunda moeda mais depreciada do mundo.
As moedas das economias emergentes têm estado a perder valor ao longo do ano em resultado das guerras comerciais iniciadas pela Administração norte-americana e, também, por influência da subida das taxas de juro pelo banco central dos Estados Unidos (Fed).
O rand (da África do Sul), real (Brasil), rublo (Rússia), rupia (Índia) e lira (Turquia) acumularam pesadas perdas diante do dólar ao longo do ano.
A fonte lembrou ser ne-cessário perceber que o kwanza esteve sobrevalorizado em algo mais que 40 por cento ao longo do tempo em que o Banco Nacional de Angola (BNA) manteve uma taxa de câmbio fixa, entre 2016 e 2017, o que explica o ajuste provocado pelo regime flutuante introduzido com a reforma cambial de Janeiro.
O nível das perdas do kw-anza diante das principais divisas internacionais é de tal forma explicado pelo ajuste, que não se registou o efeito repasse da depreciação sobre os preços e a inflação, apontou a fonte.
A notícia, veiculada pela agência Bloomberg, afirma que as moedas de Angola Zâmbia e Ghana são as três da África subsahariana mais expostas às variações do valor das moedas estrangeiras.
O Merrill Linch escreve, numa nota enviada aos clientes, que os três países são os mais vulneráveis da região a pressões de desvalorização das moedas, com base em factores que incluem, entre outros, a proporção de reservas em moeda externas.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia