Economia

Mercado do Luvo reabre a actividade comercial

A actividade comercial no mercado fronteiriço do Luvo, situado a 60 quilómetros a Norte da cidade de Mbanza Kongo, província do Zaire, foi retomada no último fim-de-semana, com a presença tímida de comerciantes.

11/08/2022  Última atualização 08H05
Mercado fronteiriço do Luvo © Fotografia por: DR

Interrompido há mais de dois anos devido à Covid-19, o comércio neste mercado  a céu aberto foi retomado, na sequência da reabertura da fronteira comum entre os dois países vizinhos (Angola e RDC), ocorrida no dia 05 de Julho deste ano.

Era notória, no local, segundo cita a Angop, a movimentação de feirantes, muitos dos quais a se desdobrarem na aquisição de lotes de terra para a construção de barracas, quando outros têm-nas já erguidas.

O administrador comunal do Luvo, Manuel Nilton, disse que estão disponíveis apenas 300 lotes, que considerou insuficientes para atender a demanda.

Explicou que a atribuição de lotes de terra obedece ao pagamento de algum valor monetário, sendo que, um espaço de três metros ao quadrado está a ser adquirido ao preço de oito mil kwanzas, ao passo que o de 4/6 está a 12 mil kwanzas. "A tarifa varia de acordo com a extensão do espaço solicitado”, justificou.

A venda de espaço naquele perímetro fronteiriço, segundo o administrador, abrange também cidadãos do Congo Democrático por se tratar de um mercado feito de forma alternada em ambos os lados da fronteira.

Alguns vendedores, que falaram à imprensa, defenderam a desmatação de mais espaço reservado para o mercado, visando absorver o maior número de pessoas que desejam erguer as suas barracas.

Pediram, igualmente, a criação de condições técnicas para a recolha e tratamento regular de resíduos sólidos, assim como o abastecimento de água. As trocas comerciais são feitas às sextas-feiras e aos sábados de forma alternada em ambos os lados da fronteira comum entre Angola e a República Democrática do Congo (RDC).

Geralmente, são comercializados no mercado do Luvo, produtos manufacturados, electrodomésticos e bens da cesta básica.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia