Regiões

Menongue procura promover a unidade e o desenvolvimento

Carlos Paulino | Menongue

Jornalista

Menongue (antiga cidade de Serpa Pinto) celebra, hoje, o seu 60º aniversário, desde que ascendeu à categoria de cidade, no dia 21 de Outubro de 1961, através do diploma legislativo ministerial número 51 da administração colonial.

21/10/2021  Última atualização 07H55
© Fotografia por: Nicolau Vasco | Edições Novembro
O foco do programa comemorativo está virado para a vida das comunidades, que clamam por melhorias do saneamento básico, assistência médica, educação, fornecimento de água potável, energia eléctrica entre outros serviços sociais.

O administrador municipal de Menongue, Augusto Manuel Ndala, nomeado em Janeiro último, explicou ao Jornal de Angola que este ano as celebrações decorrem sob o lema "Menongue 60 anos, promovendo a unidade, coesão e desenvolvimento", para justificar que algumas das preocupações da população serão resolvidas com a implementação dos projectos do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM).

Realçou que a escolha deste lema visa, igualmente, mobilizar os munícipes, no sentido de, cada um, de acordo com os meios ao seu alcance, contribuir na solução dos múltiplos problemas sociais que ainda assolam a comunidade local. Para tal, acrescentou, não importa a cor partidária, região e religião.

Caracterizou que entre a cidade de ontem e de hoje existe muita diferença, tendo em vista que, ao longo dos 60 anos, evoluiu muito e regista, actualmente, um crescimento exponencial nos sectores da educação, saúde, fornecimento de energia eléctrica e água potável, habitação e, acima de tudo, no aspecto demográfico, com uma população estimada em 417.252 habitantes.
Noventa e seis escolas

Menongue conta, neste momento, com 96 escolas do Ensino Primário, Primeiro e do Segundo Ciclo, que permitiram matricular mais de 100 mil alunos no corrente ano lectivo. As aulas são asseguradas por 3.371 professores. Existem duas instituições de ensino superior.

O dirigente realçou, no entanto, que há necessidade de se construir pelo menos mais 12 escolas, que correspondam a 137 salas de aula para a inserção de mais de 12 mil crianças que se encontram ainda fora do sistema normal de ensino.

Augusto Manuel Ndala referiu que, no domínio da Saúde, Menongue conta com 38 unidades sanitárias, nomeadamente, seis hospitais de âmbito provincial e um municipal, oito centros de saúde, um centro materno infantil e 26 postos de saúde que têm o asseguramento de 559 técnicos de enfermagem e 86 médicos, dos quais 70 nacionais e 16 expatriados, que têm contribuído para melhor assistência médica e medicamentosa da população.

Sublinhou que o outro ganho notável no sector da saúde é que 90 por cento dos partos são realizados nas unidades sanitárias, por técnicos qualificados, situação que tem contribuído para redução de mortes materno-infantil na região.

No sector da Energia, Menongue, disse, a cidade tem duas centrais térmicas no bairro 23 de Março, com capacidade de 10,5 megawatts e  outra com 55 megawatts, que permitiram uma taxa de electrificação de 45 por cento. Falta beneficiar apenas algumas zonas rurais, como as comunas do Jamba Cueio e Caiundo.

Assim, segundo Augusto Manuel Ndala, apesar dos investimentos feitos pelo Executivo central neste sector, em Menongue ainda existem muitos bairros sem o fornecimento de energia eléctrica e explicou que estão a ser feitos esforços para a electrificação de mais 12 bairros, ainda este ano, no quadro do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM).

Revelou que existe um acordo com a PRODEL para fornecer combustível a  pequenos grupos de geradores instalados em Caiundo, Jamba Cueio, Missombo, Ndumbo, Fio, Kuelei e Cuatir.

O abastecimento de água potável a Menongue depende de uma central com capacidade para bombear 11 mil metros cúbicos por dia. Tem uma extensão de rede de 79 quilómetros, que permitiu, até agora, 7.500 ligações domiciliares. Na cidade existem, também, 84 chafarizes, 87 pontos de água e nove pequenos sistemas de abastecimento para milhares de pessoas.
Agricultura e khoisans

Augusto Manuel Ndala informou que, durante o seu mandato, tem como principal aposta, junto das comunidades, a criação de pólos agrícolas e distribuição de instrumentos de trabalho para o aumento e diversificação da produção.

Revelou que já existem seis pólos no Missombo, Caiundo e Jamba Cueio, acrescentando que, nos próximos dias, se prevê a criação de mais dez em diversas localidades do município onde haja recursos hídricos e terras aráveis.

O administrador revelou ainda que, com este projecto, se pretende, também, inserir nele membros da comunidade khoisan, para poderem produzir o seu próprio alimento e deixarem de depender muito das ajudas do Governo.

Disse que Menongue tem produzido, nos últimos tempos, grandes quantidades de culturas diversas, que já chegam à mesa de muitas famílias na região e de outras províncias, com destaque para o milho, feijão-frade, mandioca, batata-doce, massango, massambala e cebola.

A outra aposta, conforme frisou,  tem a ver com a execução do Programa de Combate à Pobreza, sobretudo na vertente virada para o empoderamento das mulheres no meio rural, melhoramento da merenda escolar nas zonas rurais do Missombo, Caiundo e Jamba Cueio.

Empreitadas beneficiaram do PIIM

No quadro do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM), Menongue beneficiou, numa primeira fase, de 24 empreitadas. Algumas obras já foram consignadas e aguarda-se, apenas, pela disponibilidade financeira para o início dos trabalhos.

Trata-se das obras para o campo de futebol 11 de Menongue, para ter a capacidade de 3.500 espectadores, e do Complexo Desportivo Anexo da Banca, que, para além de um campo de futebol 11, terá ainda uma pista de atletismo e bancadas para 400 pessoas. 

Das empreitadas constam, ainda, cinco postos de saúde nas localidades do Jamba Cueio, Caiundo, Soma, Ndumbo e Abel; uma escola do primeiro ciclo de sete salas de aula no bairro Tomás; cinco campos de futebol 11 pelado com pista de atletismo nos bairros Pandera, Tucuve, Terra Nova, Paz e Kalupassa,  e dois postos policiais nos bairros Tucuve e Kalupassa.

Está programado, para os próximos dias, o lançamento da primeira pedra para a reabilitação do Hospital Municipal e do Gimnodesportivo de Menongue, o sistema de captação, tratamento e distribuição de água potável, construção de um sistema de abastecimento na capital e no Missombo. CP

Rei Mwene Vu Vunongue também "tem a palavra”

O Rei Mwene Vu Vunongue VIII, Manuel Ndala, defende que, apesar dos ganhos obtidos nos últimos 60 anos, os munícipes de Menongue ainda carecem de escolas, unidades sanitárias, habitação, expansão do fornecimento de energia eléctrica e água potável.

Segundo o soberano do povo nganguela, outra atenção deve ser prestada à reabilitação das vias de acesso entre a cidade de Menongue e os municípios do interior da província, para permitir uma melhor circulação de pessoas e bens.

Sublinha a necessidade de se prestar, também, atenção especial aos camponeses, tendo em vista que, embora haja recursos hídricos e terras aráveis em abundância, na região as pessoas praticam apenas uma agricultura de subsistência, quando po-deriam aproveitar o potencial que o município tem para maior produção.Manuel Ndala disse que constitui uma grande preocupação dos munícipes a conclusão das obras do pólo universitário de Menongue que estão paralisadas há mais de seis anos.            CP

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Regiões