Economia

Medidas do BNA dos últimos anos acentuam estabilidade do mercado

Ana Paulo

Jornalista

O governador do Banco Nacional de Angola, José de Lima Massano, disse, este domingo, em Luanda, que as medidas tomadas nos últimos três a quatro anos permitem que o mercado interno observe uma acentuada estabilidade nos preços e no valor da moeda.

15/08/2022  Última atualização 10H31
Governador do Banco Nacional de Angola, José de Lima Massano, no corte de fita sob olhar de vários presentes ao acto © Fotografia por: Armando Costa | Edições Novembro

Durante a inauguração da "Ala Norte” do edifício do BNA, José de Lima Massano disse, numa curta alusão ao "Dia do Trabalhador Bancário”, assinalado também ontem, que são positivos os resultados do ciclo económico registado nos últimos anos.

Do lado do BNA, disse, também é positivo, particularmente, na frente da inflação, que continua em trajectória de queda, apesar do contexto internacional ser ainda desafiante.

No caso concreto de An-gola, realçou o governador do BNA, as medidas foram tomadas nos últimos três a quatro anos, o que tem permitido nesta altura oferecer-se maior estabilidade ao mercado.

"Quando se fala em estabilidade, está relacionada quer no domínio monetário, quer no cambial e também nos avanços registados na frente do sistema financeiro", frisou.

Ainda sobre a estabilidade financeira, José de Lima Massano reconheceu que Angola é uma das referências no continente africano, fruto de um firme compromisso das autoridades do país.

José de Lima Massano avançou ainda que existe, neste momento, uma regulamentação actual e moderna, que permite oferecer confiança àqueles que se relacionam com a economia.

Assumiu que, actualmente, o BNA é independente do poder político e dá mais espaço e força para que as missões de estabilidade dos mercados possam ser cumpridas.

"Temos hoje melhores condições, não apenas no que toca à atracção de investimentos, mas  também de retê-lo e fazê-lo crescer em Angola", afirmou.

 

Ala Norte

A "Ala Norte” do edifício do Banco Nacional de Angola (BNA) foi inaugurada, este domingo, e nele vão funcionar vários serviços internos já existentes, incluindo aqueles que eram feitos em outros espaços.

O governador José de Lima Massano procedeu ao corte de fita do acto inaugural, num evento que visou também comemorar o "Dia do Trabalhador Bancário”, celebrado todos os anos em Angola a 14 de Agosto.

Na ocasião, reconheceu que a "Ala Norte” permitirá melhor acomodação aos trabalhadores, valorizar a imagem da capital e criar melhores condições para que os funcionários continuem a cumprir com as missões internas.

A zona recuperada pela direcção do Banco Central e reabilitada pela empresa de Construção Civil e Obras Públicas ERGICON num período de 18 meses com um custo de aproximadamente dois mil milhões de kwanzas.

Quanto aos compartimentos, o edifício é de três andares, incluindo o rés-do-chão e tem cerca de 90 espaços entre escritórios, refeitórios, cozinhas, banheiros, espaço de lazer, ginásio, entre outros serviços.

A título de exemplo, vão ser transferidos na Ala Norte  a área de Estabilidade Financeira, um novo Departamento do BNA, o Departamento de Reserva e de Mercados, que se fundiu e passou a ser apenas denominado por Área de Mercado.

Quanto aos trabalhadores do BNA, José de Lima Massano reconheceu serem equipas dedicadas, desde logo, merecedoras das me-lhores condições de trabalho para a melhor execução das tarefas diárias.

Sobre o "Dia do Trabalhador Bancário”, o governador do BNA disse que se "abraçou” o 14 de Agosto não por ser  apenas a data da criação do BNA, em 1926, mas, também, por ter sido a 14 de Agosto de 1975, antes mesmo da Independência, que o Governo de Transição de modo a preservar o Sistema Financeiro e assegurar a quando da Independência que o país tivesse um sistema a funcionar. E, já num novo governo a cumprir o seu papel, tomou-se então a decisão de assumir a liderança do sistema financeiro.

Conforme detalhou o governador do BNA, nessa altura, foram substituídas as administrações dos bancos  comerciais  que na época se encontravam numa situação debilitada.

"O nosso sistema tem crescido, o que resulta hoje em sermos um dos sectores de referência na economia nacional", frisou.

José de Lima Massano destacou que as instituições bancárias e os seus operadores continuam a traba-lhar e a dignificar as funções que exercem.

 

Imagem mais atractiva

A governadora da província de Luanda, Ana Paula de Carvalho, que presenciou o acto de inauguração, reconheceu que a "Ala Norte” trouxe uma nova e melhor visão estética e funcional na Baixa de Luanda, além de o imobiliário e decoração no interior, de igual modo, realçarem a modernidade.

Relativamente ao largo "António de Freitas ", adjacente à parte do edifício inaugurado, a governadora classificou de uma mais-valia, porquanto o espaço ganhou uma nova visibilidade.

"Tão logo o governador do BNA fez a proposta de reabilitação do largo, abraçamos a intenção. É uma iniciativa positiva, que se todos o fizermos um pouco por toda a nossa capital, teremos a cidade mais bonita e com melhor funcionalidade", realçou.

Nesse sentido, a governante apelou aos munícipes, para que preservem o local, mantendo-o limpo para que seja um ponto de atractividade de visitantes, incluindo turistas internacionais. O largo dá vista à Baía de Luanda, nas zonas mais belas da Marginal da avenida "4 de Fevereiro”, que é dos verdadeiros postais da capital do país.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia