Cultura

Mbanza Kongo é Património da Humanidade há quatro anos

Fernando Neto | Mbanza Kongo

Jornalista

A histórica cidade de Mbanza Kongo celebra, hoje, 8 de Julho, o 4º aniversário de elevação a Património Mundial da Humanidade e o 515º da fundação da capital do poderoso Reino do Kongo por Nimy-a-Lukeny, no século XIV.

08/07/2021  Última atualização 07H55
Mbanza Kongo em festa dupla promove feira para mostrar o que a região é capaz de produzir © Fotografia por: Garcia Mayatoko | Edições Novembro| Mbanza kongo
Para assinalar a data, o Governo do Zaire decretou feriado em toda a extensão da província, de modo a expor o  potencial da região numa feira de produção nacional, que decorre de 7 a 9 deste mês, em Mbanza Kongo, sob o lema "Zaire a crescer para desenvolver”.

A par da feira de produção nacional, o programa das festividades contempla, igualmente, para hoje, a exibição de um documentário cinematográfico sobre a primeira edição do Festival de Cultura e Artes (Festikongo), uma feira da saúde, uma homenagem aos ex-administradores do município de Mbanza Kongo, visitas ao centro de distribuição de água potável e um festival de ginástica rítmica.

O director do Gabinete Provincial para o Desenvolvimento Económico Integrado do Zaire, Sabino Maria da Conceição, anunciou que mais de 60 expositores, dos seis municípios da província, vão mostrar produtos e serviços dos sectores da agricultura, pescas, novas tecnologias, cultura e artes.

De acordo com o responsável, nesta montra das potencialidades da província  pretende-se ultrapassar os 22 milhões de kwanzas em  negócios alcançados na feira do ano passado, apesar das restrições impostas pela Covid-19."Os produtores de vários sectores aderiram ao apelo do Governo Provincial, visando o fomento da agricultura e da indústria e, no âmbito da rentabilização de Mbanza Kongo, enquanto Património Mundial da Humanidade, incluímos os fazedores de arte e cultura para maior divulgação dos seus produtos no mercado”, disse.

Sabino Maria da Conceição sublinhou que a feira de Mbanza Kongo deve servir de local de intermediação económica, para os consumidores terem uma ideia clara da produção local, forma de contribuir para a dinamização do sector produtivo, no âmbito da política de diversificação da economia.
Expositores
O administrador adjunto para a Área Social, Política e das Comunidades do município do Soyo, José Suca Londa, disse que esta é uma oportunidade para expor as potencialidades da região, com vista a atrair homens de negócios.O Soyo, avançou, levou à feira um pouco de tudo que tem a ver com as potencialidades da região, desde produtos agrícolas, marinhos e amostras de resultados da exploração do petrolífera e gás.

"Esperamos levar ao conhecimento público todas as nossas potencialidades e fazer muitos negócios entre produtores e vendedores oriundos de diversos municípios da província e de outras regiões, bem como atrair  investidores ao nosso município”, disse.O expositor Pedro Ângelo, que representa a cooperativa agropecuária Mbokoko, da aldeia do Vombo, a cinco quilómetros da cidade de Mbanza Kongo, disse que trouxe à feira ananás, abacate, mandioca, limão e hortícolas.

"Produzimos muito, mas a principal dificuldade é a falta de meios de transporte que para levar os nossos produtos às principais zonas de comercialização. Nesta feira acreditamos que vamos vender bem e criar laços com potenciais compradores”, vaticinou.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Cultura