Sociedade

Manual realça necessidade da protecção da criança

Alexa Sonhi

Jornalista

O Instituto Nacional da Criança (INAC) vai apresentar, no final deste mês, um manual como resultado de um estudo sobre crenças culturais que fomentam a violência sexual contra o menor no país, adiantou, ontem, ao Jornal de Angola, o director-geral da instituição.

16/06/2022  Última atualização 10H50
Manual é lançado por ocasião do Dia da Criança Africana © Fotografia por: DR

Paulo Kalesi, que falava em alusão ao Dia da Criança Africana, que hoje se assinala, disse que o estudo tem como objectivo consciencializar as famílias e a sociedade em geral sobre a protecção dos direitos das crianças a todos os níveis, para que, no futuro, haja uma sociedade mais saudável.

O director-geral do INAC frisou que, além do lançamento do manual, outros trabalhos continuarão a ser desenvolvidos com vista a prevenirem-se situações que concorram para a violência contra a criança, so-bretudo as resultantes de crenças culturais.

Relativamente às comemorações do 16 de Junho, Paulo Kalesi disse que, para este ano, a União Africana orienta os Estados-membros a reflectirem sobre o lema "Eliminando as práticas nocivas que afectam as crianças”, no sentido de permitir que os países demonstrem, efectivamente, as políticas públicas que têm sido realizadas a favor da criança.

A situação da criança africana não é das melhores e, segundo Paulo Kalesi, o mesmo cenário assiste-se em Angola, porque o país ainda tem algumas práticas que colocam os menores em risco, com particular realce para as acusações de feitiçaria.

"Esta prática já esteve muito activa no passado, mas com os vários trabalhos de advocacia que temos estado a realizar, o fenómeno diminuiu consideravelmente”, realçou.

 Data de reflexão

O director-geral do INAC considerou que o 16 de Junho deve ser sempre uma data de reflexão sobre a situação da criança em África.

Paulo Kalesi referiu que, como este ano a efeméride calha em época de provas, as actividades alusivas à comemoração vão ser realizadas apenas no próximo sábado, para permitir que mais crianças possam participar.

Segundo aquele responsável, neste dia será realizada, no auditório do INAC, uma palestra sobre as práticas nocivas às crianças do continente. Para orador, o INAC convidou um especialista em História.

Nessa palestra, além de crianças angolanas, também estarão rwandesas e ugandesas que vivem nos centros de refugiados, para juntas partilharem os valores culturais existentes nos seus países.

O Dia da Criança Africana costuma ser aproveitado para chamar atenção a sociedade sobre a realidade de milhares de crianças africanas que todos os dias são vítimas de violência, exploração e abuso.


Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Sociedade