Mundo

Mali pede reunião urgente na ONU por "actos de agressão" de Paris

O Mali pediu ao Conselho de Segurança da ONU uma reunião de emergência para pôr fim ao que classifica como "actos de agressão" da França, incluindo, alegadamente, violações da sua soberania e apoio a grupos 'jihadistas'.

17/08/2022  Última atualização 15H13
© Fotografia por: DR

O ministério maliano dos Negócios Estrangeiros divulgou hoje, junto dos jornalistas, uma carta enviada pelo chefe da diplomacia, Abdoulaye Diop, à presidência em exercício do Conselho de Segurança, actualmente assumida pela China.

Na carta, o ministro diz que o Mali "se reserva o direito de fazer uso da legítima defesa" se as acções da França continuarem, de acordo com a carta das Nações Unidas.

A carta está datada de 15 de Agosto, data da saída dos últimos soldados franceses do Mali ao fim de nove anos de uma operação de luta contra os extremistas islâmicos.

A junta no poder no Mali desde o golpe de Estado de Agosto de 2020 voltou costas à França e aos seus aliados, para se virar para a Rússia.

Na carta divulgada, Diop denuncia "violações repetitivas e frequentes" do espaço aéreo maliano pelas forças francesas e voos de aeronaves francesas envolvidas em "actividades consideradas como de espionagem" e tentativas de "intimidação".

As autoridades malianas dizem dispor de "vários elementos de prova de que essas violações flagrantes do espaço aéreo maliano serviram à França para recolher informações em benefício de grupos terroristas que operam no Sahel e para lhes lançar armas e munições".

O Mali "convida" o Conselho de Segurança a trabalhar para que a França "pare imediatamente os seus actos de agressão" e pede à presidência chinesa que comunique estes elementos aos membros do Conselho, com vista a uma reunião de emergência", acrescentou Diop.

Até agora, as autoridades francesas não reagiram às acusações.

Os últimos militares franceses da força especial Barkhane deixaram o Mali na segunda-feira ao fim de nove anos a combater o fundamentalismo islâmico no país, anunciou o Estado-Maior General das Forças Armadas francesas.

Após criar a operação Barkane em 2014 para ajudar a combater o fundamentalismo islâmico no Mali, a França anunciou em 17 de Fevereiro a decisão de reorganizar o dispositivo "fora do território maliano" por concluir que as "condições políticas e operacionais não estavam reunidas" para se manter no país, recordou hoje o Estado-maior.

A presença militar no Sahel ficará reduzida a metade até ao final do ano, com 2.500 militares.

Paris diz há meses que não está a abandonar o combate contra o extremismo islâmico e que está a debater com os países do Sahel e do golfo da Guiné a preparação de novas formas de intervenção.

O Presidente francês, Emmanuel Macron, disse no mês passado que "até ao Outono vai repensar" a presença militar em África.

A operação Barkhane foi forçada a sair do Mali na sequência de desentendimentos com a junta militar no poder em Bamako desde 2020.

Mais de 2.000 civis foram mortos no Mali, Níger e Burkina Faso desde o início do ano, mais do que os 2.021 mortos registados em todo o ano de 2021, segundo cálculos da agência France-Presse com base em dados da organização não-governamental Acled.

Em nove anos de presença no Sahel, o exército francês perdeu 59 militares.

A junta militar no poder em Bamako desde 2020 pôs um fim à cooperação militar com a França e optou por se virar para a Rússia, através da empresa privada de mercenários Wagner.

 

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo