Sociedade

Malanje apela à ajuda aérea para sinistrados

A Administração Municipal de Luquembo, a 280 quilómetros da cidade de Malanje, precisa de uma aeronave para fazer chegar alimentação e outros apoios às vítimas da chuva nas comunas de Quimbango e Capunga, devido à intransitabilidade das vias de acesso, causada pela força das águas dos rios Jombo e Luando, que transbordaram, tendo deixado mais de trinta mil pessoas isoladas do resto da província.

25/02/2020  Última atualização 19H14
Edições novembro © Fotografia por: Panorâmica da sede municipal do Luquembo onde várias vias de acesso estão intransitáveis

O governador provincial de Malanje, Norberto dos Santos “Kwata Kanawa, deslocou-se ao município de Luquembo, na semana passada, acompanhado de membros do Serviço de Protecção Civil e Bombeiros, para constatar os estragos e definir os apoios necessários para minimizar o sofrimento que a população sinistrada enfrenta.
Segundo o administrador municipal de Luquembo, Alcino Ciabala, as chuvas continuam a inviabilizar a chegada de apoio às vítimas, nas comunas de Quibango e Cunga Palanga, acrescentando que, neste momento, apenas quatro mil habitantes da comuna de Capunda, uma das três localidades assoladas pelas enxurradas, beneficiaram de ajuda.
As populações afectadas beneficiaram de sete toneladas de bens de primeira necessidade, como arroz, fuba de milho, feijão, roupa usada, utensílios de cozinha e chapas de zinco, para a cobertura das casas que desabaram, em consequência das chuvas.
“O apoio para as famílias sinistradas nas três comunas mais afectadas pelas cheias chegaram apenas à comuna de Capunda, porque as estradas estão cortadas e não há condições para que as equipas possam fazer chegar alimentação e outros apoios às comunas de Quimbango e Cunga Palanga, pelo que solicitamos ao Governo uma aeronave para retirar os meios da sede municipal de Luquembo para as outras duas comunas”, disse.
O administrador municipal de Luquembo, Alcino Ciabala, acrescentou que os apoios começaram a ser distribuídos há dias, tendo acrescentado que, em relação às comunas de Quimbango e Cunga Palanga, ainda não foi feita a distribuição já que neste momento não é possível chegar a essas localidades, porque a estrada encontra-se intransitável.

Lavras inundadas
O administrador municipal de Luquembo lamentou o facto de muitas famílias camponesas terem perdido as culturas de arroz e de outros produtos agrícolas, tendo em conta que muitas lavras ficaram inundadas.
Alcino Ciabala revelou que o estado de saúde da população da comuna de Capunda é preocupante, devido ao surgimento de muitos casos de paludismo e doenças diarreicas agudas, tendo defendido a necessidade do reforço das equipas médicas e de medicamentos, para se evitar o pior.
As chuvas, ainda de acordo com o administrador municipal de Luquembo, destruíram parte da ponte sobre o rio Luando, reconstruída e inaugurada em 2009, pelo governador Norberto dos Santos “Kwata Kanawa”, depois de estar inoperante durante longos anos devido ao conflito armado. Segundo o administrador, o município de Luquembo, com mais de 60 mil habitantes, é conhecido como a região da Palanca Negra Gigante e é potencialmente agrícola.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Sociedade