Regiões

Mais de 500 doentes sem assistência há cerca de um ano

Mais de quinhentas pessoas afectadas com a oncocercose, que vivem nas aldeias de Maria Teresa, Capeio e Rende, no município de Nharêa, província do Bié, estão sem assistência médica e medicamentosa há cerca de um ano.

03/08/2021  Última atualização 08H20
© Fotografia por: DR
A última vez que beneficiaram de medicamentos foi em 2019.
Segundo a administradora municipal, Maria Lúcia Chicapa, a situação deve-se ao facto dessas localidades situarem-se na margem do rio Cunhinga, zona de difícil acesso.
A gestora pública disse, à Angop, que a questão já é do domínio do Ministério da Saúde.

Referiu que o surgimento da Covid-19 veio agravar a situação, já que retirou capacidade das instituições de direito adquirirem os fármacos.
De acordo com a responsável, a medida mais acertada seria retirar toda a população que vive na margem do rio, mas a administração debate-se com escassez de recursos para alojar essas pessoas em outros pontos.

O município da Nharêa tem uma população estimada em 155 mil 524 habitantes, maioritariamente camponeses.
Além da oncocercose, a malária, doenças diarreicas e respiratórias agudas, febre tifóide e infecções
de transmissão sexual são outras doenças frequente no município da Nharêa.
A oncocercose, também conhecida como cegueira dos rios, é uma doença causada por infecção, transmitida pela picada da mosca preta. Alguns dos sintomas são coceira, caroços na pele e cegueira.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Regiões