Regiões

Mais de 15 mil casas construídas na Matala

Arão Martins | Lubango

Jornalista

Mais de 15 mil casas foram construídas de 2012 a 2022, na sede municipal da Matala, 180 quilómetros a Leste da cidade do Lubango, província da Huíla, no âmbito do programa de autoconstrução dirigida.

28/07/2022  Última atualização 09H25
Projecto visa garantir segurança à população e evitar construções desordenadas na região © Fotografia por: DR

O administrador municipal da Matala, Miguel Vicente, que prestou a informação ao Jornal de Angola, à margem do lançamento da primeira pedra para a construção da nova Administração Municipal, feita pelo governador provincial da Huíla, Nuno Mahapi Dala, disse que foi na sequência do programa de autoconstrução dirigida que surgiram os bairros Muvale, Cahululu e 11 de Novembro.

Segundo Miguel Vicente, durante o período em referência, a Administração Municipal distribuiu mais de 15 mil lotes de mil metros quadrados cada, onde foram criadas condições para o abastecimento de água potável e fornecimento de energia eléctrica, postos médicos e centros de saúde, escolas e outros serviços sociais básicos, visando a melhoria da qualidade de vida da população.

Garantiu que o projecto de loteamento vai continuar, para que mais pessoas tenham a oportunidade de construir as suas moradias em locais seguros.

"O plano gizado visa criar zonas de habitação condigna, respeitando os princípios da arquitectura sustentável, com espaços de lazer, cortinas de vento, área académica, administrativa e residencial", sublinhou Miguel Vicente, acrescentando que a organização e crescimento da sede municipal enquadram-se no plano director, que prevê dividir a sede municipal da Matala em três partes: cidade alta, que corresponde à zona de Cahululu e Muvale e a baixa, que abarca a vila actual até ao bairro 11, onde começa a marginal, enquanto a cidade económica estende-se para os viveiros e uma parte do bairro Camucua.

Adiantou que, a zona económica, que será o cartaz da cidade, começa na Marginal, passando pelo Miradouro da Barragem, e terá área de actividades festivas do município e carnaval, expo e condomínios (edifícios multifamiliares), de até quatro andares.   

 Novo edifício da administração 

Mais de 681 milhões de kwanzas é o valor que o Governo Provincial da Huíla está a empregar na construção do novo edifício da Administração Municipal da Matala. 

O administrador municipal, Miguel Vicente, disse que, através do Decreto Presidencial 202, houve um aumento de direcções municipais e a actual Administração Municipal não tem capacidade para acolher o número de funcionários. 

A Matala, citou, tem mais de 335 mil habitantes e justifica-se a construção da Administração Municipal, projectada na zona urbanística de Cahululu, que vai, além de dinamizar o atendimento ao público, dar dignidade aos funcionários. 

Acrescentou que as obras vão durar oito meses e que o edifício vai ser construído numa área de três hectares. Explicou que o novo edifício da Administração Municipal da Matala vai ter dois andares e está a ser construído na nova zona urbanística, que acolherá, também, o Tribunal Municipal da Comarca, futuro edifício das autarquias, Administração Geral Tributária, Comando Municipal da Polícia Nacional. No mesmo perímetro já foi construído um liceu.

 Obras do PIIM 

O município da Matala concluiu com sucesso os 23 projectos do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM), com a inauguração de duas escolas, de sete salas cada, uma na sede municipal e outra na localidade de Cacimbas, comuna de Micosse, pelo governador provincial da Huíla, Nuno Mahapi Dala.  

O administrador Miguel Vicente explicou que, das obras do PIIM, destaque para a colocação de asfalto nas ruas do casco urbano da sede municipal da Matala, reabilitação do centro de saúde, na comuna do Mulondo, terraplanagem do troço que liga Cuvelai a Freixiel e construção de cinco escolas de sete salas de aula cada. 

Miguel Vicente mostrou-se satisfeito com a admissão de professores, nos últimos tempos, fazendo com que o número subisse para 1.400. Adiantou que, nos próximos tempos, vai haver mais admissão de professores. "Nenhuma escola está fechada por falta de professores”, garantiu.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Regiões