Cultura

Lura canta a beleza “Multicolor” do mundo no seu sétimo álbum

A premiada artista lusófona Lura traz no seu novo álbum, intitulado “Multicolor”, a ser disponibilizado hoje nas plataformas digitais, inovações musicais que incorporam composições de nomes como Agualusa, Dino de Santiago e Angelique Kidjo.

22/09/2023  Última atualização 12H05
© Fotografia por: DR

A cantora cabo-verdiana canta o lado positivo da multiculturalidade, insistindo na necessidade de aceitação do outro para uma conivência sã entre as diferentes raças e culturas no mundo. 

"O nome que dei ao disco tem a ver exactamente com isso, com as várias cores de que sou constituída, toda esta minha miscelanização, os encontros entre Cabo-Verde e Portugal com outras culturas, fazem de mim uma pessoa de várias cores, e quando se fala de cor, também se fala da cor da pele”, disse em entrevista à agência Lusa.

A cantora de nacionalidade portuguesa e cabo-verdiana decidiu recorrer a "todos estes mundos e todos estes conceitos” que fizeram dela uma mulher "na procura da identidade”.

E sobre a sua dupla nacionalidade, sublinha o seu lado positivo: "Temos na vida demasiados motivos para o lado negativo e eu penso que esta minha dupla nacionalidade é algo positivo, que tenho de ver como algo enriquecedor. É o que sempre fiz ao longo da vida, ver o lado positivo das coisas. África, por exemplo, foi sempre mostrada pelo seu pior lado, mas tem coisas tão boas para mostrar. Eu considero-me africana, parte dos meus genes vem de África, outra parte da Europa e resultou na mulher que sou hoje”, afirmou.

Habituada a surpreender com algumas inovações que introduz em cada álbum, o sétimo conta com a produção de Agir e uma sonoridade mais electrónica e mais moderna.

"Nós, artistas, temos esta responsabilidade de também representar os tempos que vivemos. Digamos que tentei modernizar, sem perder nunca a minha identidade”, disse.

Lura concretizou o desejo de cantar em português e um desses temas é "Vou-me amar”, que fala sobre a auto-estima e foi um pouco inspirado em relacionamentos tóxicos, quer sejam relacionamentos amorosos, como profissionais, familiares e em geral.

"É um pouco a apelar à importância de nos amarmos e estarmos atentos ao que é importante para nós e para o nosso bem-estar, antes de amar quem quer que seja”, acrescentou.

Lura convidou artistas que admira para este álbum, como Angelique Kidjo, uma cantora natural do Benim, premiada com vários Grammys e embaixadora da Boa Vontade do Unicef, com quem divide um tema que fala sobre empatia, a capacidade de aceitar os outros, independentemente das suas diferenças físicas e ideológicas”.

"É uma mulher que admiro imenso e já nos temos vindo a acompanhar mutuamente, ao longo dos tempos. Partilhamos este tema ´Cetam` e acho que é a altura certa para falarmos sobre estas causas”, prosseguiu.

O álbum conta ainda com outras participações, como a da portuguesa Picas, de Dino de Santiago, de origem cabo-verdiana, com quem Lura já partilhou o palco, assim como do escritor angolano José Agualusa, para quem o futuro da música cabo-verdiana passa por Lura.

O disco vai ser agora apresentado em vários países europeus, estando previsto, para Lisboa, um "espectáculo minimalista, com três músicos em palco num concerto de inverno”, com data marcada para 13 de Outubro, no Centro Cultural de Belém.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Cultura