Sociedade

Lunda-Norte: Investidos 75 milhões de kwanzas na promoção do auto-emprego no Lubalo

Victorino Matias | Dundo

Jornalista

No âmbito do Programa Integrado de Desenvolvimento Local e Combate à Pobreza, a Administração Municipal do Lubalo, na Lunda-Norte, investiu, este ano, 75 milhões de kwanzas em projectos de reintegração social e produtiva, destinado a um grupo de 92 ex-militares e famíliares e jovens, organizados em cooperativas agrícolas e pecuárias, disse, ao Jornal de Angola, o administrador municipal Silvestre Cheleca.

02/12/2020  Última atualização 21H50
A localidade foi contemplada com dez projectos do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios © Fotografia por: Benjamim Cândido| Edições Novembro
Os ex-militares beneficiaram de sementes, fertilizantes, meios de trabalho, motorizadas de três rodas para o escoamento dos produtos agrícolas do campo para os centros comerciais, e cabeças de gado bovino e caprino, para o fomento animal.

Com vista a promoção de pequenos negócios e melhoria da prestação de serviços nas comunidades locais, as 23 mulheres seleccionadas, entre esposas, viúvas e filhas dependentes de ex-militares, beneficiaram de equipamentos de corte-e-costura e kits de cabeleireira. 
A Administração Municipal do Lubalo distribuiu motorizadas de duas rodas para o exercício da actividade de mototáxis, e kits de informática e serralharia a um grupo de 68 jovens associados. 
Belita da Silva, viúva de um ex-militar e responsável de uma cooperativa agrícola do município do Lubalo, que beneficiou de uma motorizada de três rodas, disse ao Jornal de Angola que a iniciativa das autoridades locais faz jus a lendária frase, "o mais importante é resolver os problemas do povo”, muitas vezes pronunciada pelo primeiro Presidente da República de Angola.
"Desta forma, o Governo rende homenagem aos ex-combatentes angolanos”, disse Belita da Silva, enaltecendo o facto de o apoio ter sido dado no quadro das festividades dos 45 anos da Independência Nacional. De acordo com a responsável, a falta de assistência aos camponeses do município inviabiliza o aumento da produção agrícola.

"Os camponeses querem sair da agricultura de subsistência para uma actividade mais sustentável. Queremos contribuir na melhoria dos projectos de combate à pobreza, promovendo mais empregos para a juventude”, disse. Além da assistência técnica dada aos agricultores, através do departamento provincial do Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA), Belita da Silva defende a criação de estratégias capazes de alavancar o sector agrícola no Lubalo.
"Estamos muito mal. Também faltam meios de transporte para facilitar no escoamento de produtos do campo para os centros de comercialização”, disse, para sublinhar que a motorizada de três rodas chegou em boa hora.

"Vamos ter mais rendimentos. A motorizada vai facilitar no escoamento dos produtos cultivados nos nossos campos agrícolas. Mas é preciso que os governos (central e provincial) intervenham mais na construção de infra-estruturas de impacto social e económico”, disse.

José Xanuma, ex-militar cuja cooperativa beneficiou de cabeças de gado bovino, defendeu a necessidade de retoma das obras de reabilitação e asfaltagem da Estrada Nacional nº 170, que estabelece a ligação entre a comuna do Camaxilo, município do Caungula, a sede municipal do Lubalo e a localidade de Xinge, no município do Capenda-Camulemba.

"As obras, na Estrada Nacional 170, estão paralisadas desde princípio de 2015, facto que preocupa a população deste município. Lubalo está a ficar cada vez mais isolado do resto da província da Lunda-Norte”, disse Xanuma, admitindo que a entrega de gado aos ex-militares constitui um excelente incentivo para o surgimento de mais criadores na região.

Combate à pobreza

O administrador municipal do Lubalo, Silvestre Cheleca, reconhece que a população residente na localidade enfrenta inúmeras dificuldades, mas acredita que a implementação do Programa Integrado de Desenvolvimento Local e Combate à Pobreza pode ser o ponto de partida para a resolução dos problemas.

De acordo com o responsável, com esse programa foi possível reintegrar um grupo de ex-militares e respectivas famílias em acções produtivas, através de iniciativas de fomento do auto - emprego, com a atribuição de imputes agrícolas e cabeças de gado bovino.
"Foram entregues a 93 ex-militares, kits compostos por sementes, fertilizantes, utensílios para lavrar a terra e cabeças de gado bovino e caprino. Também adquirimos seis motorizadas de três rodas, para facilitar o escoamento dos produtos cultivados na região, e distribuímos uma para cada uma das cooperativas agrícolas cujos integrantes são desmobilizados de guerra”, disse o administrador.

Silvestre Cheleca sublinhou que os beneficiários estão inseridos na estratégia de inclusão social das famílias vulneráveis, que visa incentivar a realização de actividades geradoras de renda. "Neste âmbito, entregamos também dez motorizadas de duas rodas para o serviço de moto táxis, cinco kits de informática e três de serralharia, para um total de 68 jovens associados”, explicou.
Afirmou que para a materialização dos vários projectos de inclusão social em curso, na localidade, a Administração Municipal do Lubalo investiu 75 milhões de kwanzas. O município conta com um total de 206 organizações agropecuárias, entre cooperativas e associações.

Impacto do PIIM

Lubalo foi contemplado com dez projectos do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM), incluindo uma acção de saneamento básico. Segundo o administrador municipal, entre as acções inscritas no PIIM constam duas escolas de sete salas de aula cada, três furos de água, igual número de residências do tipo T3, um posto policial e uma residência para o responsável.

Em relação à transportação dos materiais de construção, apesar das dificuldades apresentadas pelos empreiteiros, o administrador do Lubalo está satisfeito com o nível de execução física das obras. "Os empreiteiros solicitaram a segunda tranche do pagamento, cujas facturas e autos de medição do nível de execução das obras já foram encaminhadas à Direcção Nacional dos Investimentos Públicos do Ministério das Finanças, em Luanda”, garantiu.

Silvestre Cheleca disse que, até ao momento, os números indicam que as obras do PIIM permitiram a criação de 107 novos postos trabalho à juventude local. As duas escolas em construção vão, de acordo com o administrador da localidade, acolher um total de 1.260 alunos no próximo ano lectivo. Avançou que os três furos de água serão construídos nas sedes comunais do Luangue e Muvuluege, e na vila municipal.

O município conta com 11 unidades sanitárias. O centro municipal funciona na sede do Lubalo, enquanto as restantes atendem as populações residentes nas comunas e em vários bairros da vila municipal. Os serviços são assegurados, maioritariamente, por enfermeiros. 
Apenas três médicos prestam assistência médica e medicamentosa na localidade.
Sobre o assunto, o administrador do Lubalo assegurou a presença, nos próximos dias, de mais três médicos, admitidos no concurso público realizado no ano passado, pelo Ministério da Saúde. 

Mais de 20 mil habitantes

Com uma extensão territorial de 12.686 quilómetros quadrados e uma densidade populacional estimada em 20.631 habitantes, que vivem maioritariamente da actividade agrícola, criação do gado e pesca artesanal, Lubalo dista cerca de 483 quilómetros da cidade do Dundo.

O município dispõe de terras férteis e propícias para o desenvolvimento da agricultura em grande escala. À semelhança de outros municípios da Lunda-Norte, a localidade possui uma extensa bacia hidrográfica.

Rios como o Cuilo, Luangue, Lubalo, Lulu, Fotongo e Massai, facilitam na irrigação das plantações. Desde a era colonial, o município regista grande produção de frutas, com destaque para a laranja, tangerina e limão.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Sociedade