Regiões

Lubango reforça equipamentos para recolha de lixo porta-a-porta

Arão Martins | Lubango

Jornalista

A limpeza e recolha de lixo porta-a-porta em bairros da cidade do Lubango, província da Huíla, estão, desde a semana finda, reforçadas, com a entrega de mais viaturas e equipamentos à Administração Municipal.

24/10/2022  Última atualização 10H54
Novos meios dão outra dinâmica à estratégia de recolha de lixo © Fotografia por: Arão Martins | Edições Novembro | Huíla
Dos meios entregues pelo governador provincial da Huíla, Nuno Mahapi Dala, constam dois camiões basculantes e duas carrinhas Isuzu de três toneladas e meia, vassouras, contentores e carrinhos de mão, acoplados a baldes para a recolha de lixo.

O administrador municipal do Lubango, Lisender André, reconheceu que, apesar do reforço, os equipamentos ainda são insuficientes, tendo em conta a dimensão e o crescimento dos bairros, bem como o surgimento de novas zonas urbanísticas. 

Lisender André referiu que os meios vão reforçar a capacidade e melhorar os serviços de limpeza pública na cidade do Lubango. "Os meios permitirão fazer mais do que tem sido feito no processo de limpeza e recolha de lixo porta-a-porta, contribuir na melhoria da qualidade de vida da população e da imagem da cidade do Lubango”.

Lubango, indicou, tem 72 motorizadas de recolha de lixo porta-a-porta. 

As autoridades locais, sublinhou, continuam a estudar os melhores mecanismos de recolha de resíduos sólidos no casco urbano e zonas periféricas.

Reconheceu que a recolha de lixo no casco urbano está consolidada, ao contrário da zona periférica, que precisa de intervenção mais apropriada, onde as reclamações da população são constantes, devido aos acessos que não permitem a entrada de motorizadas de três rodas.

Lisender André lamentou o facto de a população não colaborar para que o processo de recolha de lixo seja feito sem sobressaltos. "Vamos trabalhar na sensibilização da população, para maior participação”.

O governador provincial da Huíla, Nuno Mahapi Dala, disse que a marca da cidade do Lubango é o saneamento básico, o que requer investimentos avultados e a colaboração da população.

Acrescentou que, com o Lubango limpo, gasta-se menos recursos financeiros nos serviços de saúde. Defendeu a manutenção dos meios em oficinas especializadas, para a sua durabilidade. "Recebemos pouco dinheiro para manter a cidade do Lubango, que está em crescimento, em termos de densidade demográfica”.

O governador da Huíla disse que o Lubango tem aproximadamente um milhão e 500 mil habitantes. 

 

Descaracterização de espaços

Nuno Mahapi Dala mostrou-se preocupado com a descaracterização de alguns espaços públicos, requalificados no âmbito das Obras de Infra-Estruturas Integradas da cidade do Lubango.

Nuno Mahapi Dala, que falava à imprensa à margem da entrega de equipamentos de limpeza e recolha de lixo, exemplificou a descaracterização do largo da Sé Catedral.

Disse que, depois das obras, todos os espaços públicos foram entregues à Administração Municipal do Lubango.

Segundo o governante, alguns espaços foram bem mantidos e noutros houve insucessos. "Para os espaços sem sucesso, vamos ter que recuperá-los e tomar outra decisão, já que a primeira preocupa-nos”.

O governador provincial da Huíla assegurou que, na primeira visita feita com o novo administrador municipal, Lisender André, deixou-se orientações claras e precisas para aquilo que se pretende com o largo da Sé Catedral e não só. 

Nuno Mahapi Dali acrescentou que foram feitas passadeiras para peões, mas usa-se a relva. "Devemos continuar a trabalhar com a população para a mudança de comportamento”. 

De acordo com o governante, no jardim não é permitido circular motorizadas, conforme acontece, o que pode criar muitos problemas, como atropelamentos. 

"Confio na população da nossa província em relação ao cuidado que o património colectivo merece”, disse. 

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Regiões