Política

Líderes devem preparar os jovens para servir a diplomacia

Gabriel Bunga

Jornalista

O ministro das Relações Exteriores, Téte António, considerou, esta terça-feira, em Luanda, ser necessário acelerar a formação dos jovens da Região dos Grandes Lagos, com conhecimentos sólidos em matéria da diplomacia preventiva, para se conter os conflitos que surgem nos países desta região africana.

22/06/2022  Última atualização 09H10
Representantes dos Estados-membros da CIRGL reconhecem importância da formação © Fotografia por: Dombele Bernardo | Edições Novembro

Téte António falava na sessão de abertura do seminário sobre Ensino Superior e Segurança Humana para a Região dos Grandes Lagos, que decorreu nas instalações do Ministério das Relações Exteriores. "A procura de soluções duradouras para os conflitos na região dos Grandes Lagos é primordial no âmbito da diplomacia preventiva, procurando-se, desta forma, dar-se formação à juventude", sublinhou.

Referiu que este desafio é colocado aos líderes dos países da Região dos Grandes Lagos, havendo necessidade, por isso, de se ser proactivo na preparação da juventude para o mercado de trabalho, principalmente em matérias ligadas à diplomacia. O ministro Téte António considerou ser necessário que a região desenvolva estratégias capazes de criar oportunidades económicas com o objectivo de reorientar a educação e os sistemas de treinamento, baseados em conhecimentos, competências, habilidades, inovação e criatividade, no âmbito do desenvolvimento harmonioso e sustentável a nível nacional e continental.

"Devemos fazer mais para a nossa juventude, por ser a riqueza mais importante dos nossos países. A nossa região não será estável, segura e desenvolvida se a juventude for deixada para trás", realçou, tendo sublinhado que, como região, é necessário criar-se programas que visem a promoção de uma cultura de inovação e de valores patrióticos.

Segundo Téte António, a Região dos Grandes Lagos conta, actualmente, com sete milhões de estudantes no sistema de ensino superior, inscritos nas ciências e tecnologias, engenharias e matemáticas, e que, no total, são menos de 20 por cento. É necessário, continuou, que as estatísticas sejam melhoradas, e que a situação, para o caso das meninas, apresenta-se ainda pior.

"Devemos agir rápido e com qualidade como região para incluir e providenciar maiores oportunidades para as mulheres, especialmente as cientistas, e acelerar a matrícula das raparigas nas ciências, tecnologias, engenharias e matemáticas", referiu.

O ministro das Relações Exteriores, Téte António, garantiu aos presentes que a iniciativa de melhorar o ensino para os jovens na Região  dos Grandes Lagos vai continuar sob  liderança do Presidente João Lourenço, na qualidade de Presidente em exercício da Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes Lagos (CIRGL).

Acrescentou que outras iniciativas, viradas à promoção da educação para a juventude na região, vão continuar, desenvolvendo-se acções no âmbito das jornadas desportivas, festivais de cultura e artes, onde os povos se encontram e desenvolvam saberes e procedam ao intercâmbio de técnicas e outros conhecimentos. "Do intercâmbio entre povos também poderá ocorrer no domínio do empreendedorismo", concluiu o ministro Téte António.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Política