Política

Líder do MPLA anuncia lançamento do concurso para Zona Económica

Garrido Fragoso

O lançamento do concurso público para a concessão da Zona Económica Especial da Barra do Dande acontece nos próximos 20 dias, antes do início da campanha eleitoral, anunciou este sábado, na cidade de Caxito (Bengo), o líder do MPLA.

03/07/2022  Última atualização 07H50
João Lourenço informou que os projectos vão atrair o investimento privado nacional e estrangeiro © Fotografia por: Santos Pedro|Edições Novembro/ Caxito

João Lourenço, que falava para dezenas de milhares de simpatizantes, amigos e militantes do partido durante o acto político de massas, no bairro da Açucareira, em Caxito, indicou que o projecto congrega, entre outros, serviços de transporte marítimo, rodoviário, turismo, comércio e estocagem de combustíveis. 

Aos militantes do MPLA presentes no acto, João Lourenço informou que o projecto vai atrair o investimento privado nacional e estrangeiro, tendo em conta a atractividade do regime fiscal a ser praticado, pois proporcionará inúmeros empregos, sobretudo, para a juventude.

"Uma vez lançado o projecto, ficaremos com a garantia de que não haverá retrocesso e os vencedores do concurso, dentro de um prazo razoável, darão início à obra”, referiu João Lourenço, para quem a Zona Económica Especial da Barra do Dande será uma das maiores infra-estruturas económicas a serem edificadas nos  próximos anos no país.

Do leque de projectos anunciados pelo líder do MPLA a favor da província do Bengo constam também a reabilitação do troço rodoviário que liga a localidade de Kifangondo à cidade de Caxito, na Estrada Nacional número 100.

Salientou que já estão identificados os recursos financeiros para a execução da obra, incluindo da estrada entre as localidades de Onzo e Muxaluando, no município de Nambuangongo.

Anunciou que na província do Bengo decorrem obras do Terminal Oceânico da Barra do Dande que, uma vez concluído, terá capacidade para armazenar 582 mil metros cúbicos de combustíveis, entre gasóleo, gasolina e "até gás de cozinha".

"Será o maior centro de estocagem de combustíveis, que o país terá dentro em breve, cuja obra estará concluída no segundo semestre do próximo ano”, realçou.

 

Descentralização dos  hospitais 

Ao reconhecer a pressão de que eram alvos os hospitais Josina Machel e Américo Boavida, na cidade de Luanda, pela falta de infra-estruturas de unidades sanitárias nas demais regiões, João Lourenço destacou a construção dos hospitais gerais do Sumbe (Cuanza-Sul), Ndalatando (Cuanza-Norte), Viana e Cacuaco (Luanda) e de Caxito (Bengo).

Disse que a maioria destas unidades, com capacidade para 200 camas cada, incluindo a de Caxito, fica concluída em Abril do próximo ano. 

Habitação e ensino

João Lourenço disse que, à medida que o tempo passa, a província do Bengo ganha novos empreendimentos económicos e sociais.

Lembrou que Caxito, antes designada  "cidade da lama”, ganhará nos próximos meses um Instituto Superior Politécnico que, em muito, contribuirá para o ensino e aprendizagem dos jovens da região e não só.

 Reconheceu "avanços consideráveis”, nas obras da Centralidade de Bucula, a quatro quilómetros da cidade de Caxito, salientando que o empreendimento social estará brevemente disponível  ao público. 

Realçou o facto de já estar concluída e posta ao serviço dos cidadãos a ponte sobre o Rio Dande, na província do Bengo, que ao longo de muitos anos esteve inoperante.


Infra-estruturas desportivas

O Presidente do MPLA, João Lourenço, chamou a atenção, ontem, para a necessidade de uma melhor e mais eficiente gestão das infra-estruturas desportivas construídas no país, sobretudo, as erguidas nos últimos anos.

Ao intervir no acto de massas na cidade de Caxito, província do Bengo, no quadro da pré-campanha eleitoral, o Presidente João Lourenço fez tal referência pelo facto de a região vir a acolher, nos próximos tempos, o Centro de Estágio do Desporto Paralímpico, cuja primeira pedra foi lançada na última sexta-feira.

João Lourenço realçou que os atletas paralímpicos são portadores de necessidades especiais, mas, ainda assim, têm alcançado êxitos nas distintas modalidades.

Afirmou que o Centro de Estágio do Desporto Paralímpico terá capacidade para 250 atletas e irá contar com um campo de futebol relvado, duas quadras de ténis, uma piscina olímpica, bem como um pavilhão gimno-desportivo para diferentes modalidades.

Por este motivo, apelou à federação, aos dirigentes do Desporto Paralímpico, bem como aos praticantes para a necessidade de uma boa gestão.

"É preciso evitar, a todo o custo, cairmos na situação que se vive com a má gestão de estádios, como o 11 de Novembro (Luanda), da Tundavala (Huíla), Chiazi (Cabinda), que custaram muito dinheiro aos cofres do Estado, sendo pois uma situação bastante lamentável”, referiu.


Identificação de ossadas   

O líder da maior organização política do país dedicou largos elogios e reconhecimento aos filhos da região, que se destacaram na luta contra o colonialismo e a libertação de Angola. 

João Lourenço indicou que algumas das ossadas entregues recentemente (não mencionou nomes) eram de combatentes e comandantes do Bengo, que se destacaram na luta de libertação.

O presidente do MPLA garantiu a continuação do Processo de Identificação de Ossadas Humanas de Vítimas de Conflitos Armados e sua análise forense com amostras recolhidas de familiares.

Às famílias das vítimas João Lourenço pediu paciência, salientando que o trabalho é de muita responsabilidade e carece de "certeza científica” para que os resultados sejam reais.

 

Apelo às eleições com civismo

Para que o processo eleitoral no país se transforme numa verdadeira festa da democracia, João Lourenço apelou aos militantes do partido para trabalharem com civismo e tolerância, na relação com os adversários políticos.

"Vamos continuar a trabalhar dentro do civismo e tolerância requeridos, sobretudo, na relação com os nossos adversários que devem ser derrotados. Mas para derrotá-los, não precisamos de maltratá-los fisicamente”, apelou.

"Que a adrenalina nas nossas veias suba, mas para convencer os militantes de outros partidos políticos a votar no MPLA”, referiu João Lourenço, ao reconhecer que em períodos eleitorais os ânimos ficam exaltados.

Aos cidadãos, João Lourenço pediu o voto certo no MPLA, para garantir a continuidade da execução dos projectos estruturantes ao nível do país.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Política