Economia

Kwanza sofreu nova depreciação

O kwanza sofreu, nesta segunda-feira, uma depreciação de 5,045  por cento face ao dólar norte-americano, que custa actualmente 285,845 kwanzas,  contra os 280,8 cotados no último leilão de venda de divisas feito pelo Banco Nacional de Angola (BNA).

12/09/2018  Última atualização 23H36
Edições Novembro

A depreciação da moeda nacional ocorreu no mais recente leilão de venda de divisas aos bancos comerciais, efectuado pelo BNA, que colocou no mercado primário o montante de 40 milhões de dólares para a cobertura de operações de natureza comercial e privada em posse dos bancos comerciais e em conformidade com a regulamentação cambial vigente.
Neste leilão, onde foi apurada a taxa de câmbio de referência de 285,845 kwanzas por dólar, a cotação do Kwanza face ao Euro não se alterou, mantendo-se nos 329,537 kwanzas por cada Euro.
Contribuíram para o apuramento da taxa de câmbio de referência 17 bancos, tendo a taxa mais alta a atingir 286,450 kwanzas e a mais baixa de 285,310 Kwanzas por Dólar, segundo  uma nota publicada no site do BNA.
Nesta sessão, a terceira deste mês, os bancos Sol e BCI lideraram o leilão, tendo cada um arrecadado cinco milhões de dólares, respectivamente.
No âmbito do calendário de vendas de divisas no mês de Setembro, o BNA vai  proceder à venda do equivalente a 700 milhões de dólares, incluindo plafonds para cartas de crédito, por via de oito leilões que terão lugar às segundas e quartas-feiras.
De acordo com o Banco Central, o montante, moeda e finalidades serão anunciados aos bancos comerciais nas 24 horas que precedem a realização de cada leilão. Desde Janeiro do ano em curso que o BNA organiza leilões de compra e venda de moeda estrangeira, onde os participantes (banco central e bancos comerciais) indicam o preço (a taxa de câmbio) para a compra ou venda
de moeda estrangeira. No modelo anterior a cotação era fixada directamente pelo BNA.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia