Especial

Jovens e adolescentes sabem pouco sobre Agostinho Neto

André Sibi

Jornalista

Adolescentes de Luanda ouvidos pelo Jornal de Angola mostraram saber pouco sobre a vida e obra do primeiro Presidente de Angola, Agostinho Neto.

18/09/2021  Última atualização 06H10
Rosa da Conceição António, aluna da 8ª classe, na escola nº 5008, vulgo Escola Oito, disse apenas que Agostinho Neto foi o primeiro Presidente de Angola e que, pelo que ouviu, "foi um bom Presidente e fez boas coisas”.

Suzana Miguel Lila estuda a 10ª classe, curso de Estatística, no Instituto Médio de Economia de Luanda(IMEL). Aos 21 anos e, apesar de estudar próximo do Largo da Independência, não se lembra o que o primeiro Presidente fez naquele local. Lamentou a ausência de actividades sobre Agostinho Neto, que ajudariam os adolescentes a conhecer mais sobre a vida e obra do Fundador da Nação.

Quem mostrou ter algum conhecimento sobre a vida e obra de Neto é Gilvânia Zua, que estuda a 13 classe, no curso de Estatística, também no IMEL. Explicou que Agostinho Neto entrou na História e memória colectiva dos angolanos por ter lutado e proclamado a Independência Nacional, a 11 de Novembro de 1975.

Gilvânia referiu-se, igualmente, à dimensão cultural do primeiro Presidente. Para ela, "Havemos de voltar” e "Caminho do mato” são os poemas preferidos da autoria de Agostinho de Neto.
Gilvânia Zua respondeu acertadamente quando questionada sobre o local e data de nascimento do Presidente Neto: Catete, município de Icolo e Bengo, a 17 de Setembro de 1922. Tal como Suzana Lila, Gilvânia defendeu mais actividades sobre Neto, para que os alunos o possam conhecer melhor.


"O meu sonho é conhecer o Memorial”

Valdeci José nasceu e cresceu no bairro da Estalagem, no município de Viana, em Luanda. Também estudante da 8ª classe, na Escola Oito, Valdeci tem o sonho de conhecer o Memorial Dr. Agostinho Neto, onde repousam os restos mortais do primeiro Presidente.

"Já ouvi falar sobre o Memorial Agostinho Neto, mas a escola onde estudo nunca organizou uma excursão para visitar o lugar”, lamentou. "Dizem que é aí onde está sepultado o corpo de Agostinho Neto, mas  como chegar lá?”, questionou o adolescente, acrescentando que as histórias que ouve sobre o Memorial são de que o edifício é imponente.

"Alguns dizem, até, que nas visitas é possível ver a urna onde estão os restos mortais. Estou curioso para ver”, acrescentou.
Gerson Barros, que também estuda a 8ª classe na mesma instituição, disse que a única coisa que sabe é que foi Agostinho Neto quem proclamou a Independência de Angola.

Questionado sobre a data e local de nascimento, Gerson disse que não se lembrava de nada. "Eu não sei o dia que ele nasceu, lembro apenas que é o Herói Nacional, por ter proclamado a Independência do país, a 11 de Novembro de 1975”, afirmou.


Breve biografia

Agostinho Neto nasceu no dia 17 de Setembro de 1922, em Caxicane, Icolo e Bengo, Luanda. Era filho do pastor metodista Agostinho Pedro Neto e da professora primária Maria da Silva Neto.

Estudou no Liceu Salvador Correia, hoje Mutu ya Kevela. Concluiu o curso do liceu com elevada classificação. Após terminar os estudos ingressa, mediante concurso, no Quadro Administrativo dos Serviços de Saúde e Higiene de Angola, tendo sido colocado em Malanje e depois no Bié. Em 1947 matricula-se na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra.

Agostinho Neto casa com Maria Eugénia Neto no dia 27 de Outubro de 1958, dia em que conclui a sua licenciatura em Medicina.
Em 1948 é eleito secretário-geral da Delegação da Casa dos Estudantes do Império, em Coimbra.

Foi membro fundador do Centro de Estudos Africanos em conjunto com Amílcar Cabral, Mário Pinto de Andrade, Marcelino dos Santos e Francisco José Tenreiro. Mais tarde é também fundador do Clube Marítimo Africano.

Devido às suas actividades políticas é preso a 8 de Junho 1960 pela PIDE, dando origem a campanhas internacionais de solidariedade para a sua libertação.

Em 1961, Agostinho Neto foi eleito presidente do MPLA, criado em 1956.
Na década de 70 lidera as actividades políticas e de guerrilha do MPLA e o processo de descolonização (1974/75) a partir de Argel e Brazzaville até ao seu regresso a Angola para a proclamação da Independência, a 11 de Novembro 1975 e torna-se o primeiro Presidente da República.

Líder, político, médico e poeta, foi, ainda, membro-fundador da União dos Escritores Angolanos (1975) e o primeiro reitor da Universidade de Angola, que, em 1979, passou a chamar-se Universidade Agostinho Neto.

Também presidiu à Assembleia-Geral da União dos Escritores Angolanos até à data do seu falecimento, 10 de Setembro de 1979, em Moscovo, na então União das Repúblicas Socialistas Soviéticas(URSS).

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Especial