Mundo

José Maria Neves lança pré-campanha

O antigo Primeiro-Ministro cabo-verdiano José Maria Neves formalizou, quinta-feira, junto do Tribunal Constitucional, com 4 mil assinaturas, a sua candidatura a Presidente da República de Cabo Verde nas eleições de 17 de Outubro.

14/08/2021  Última atualização 05H45
Antigo Primeiro-Ministro cabo-verdiano promete reconstruir o país no período © Fotografia por: DR
"O entusiasmo que essa candidatura gerou fez com que em rápido tempo nós tivéssemos organizado o processo, não com mil pessoas, como é regulamentar, mas com o máximo de quatro mil pessoas que a lei permite fazer”, afirmou à Lusa o mandatário nacional da candidatura, o advogado e escritor Germano Almeida, que entregou as caixas com as assinaturas junto ao Tribunal Constitucional (TC), na Cidade da Praia. Segundo o calendário eleitoral, as candidaturas a Presidente da República devem ser formalizadas junto do TC até 18 de Agosto, 60 dias antes do escrutínio, e o Código Eleitoral define que "são propostas por um mínimo de mil e um máximo de quatro mil cidadãos eleitores”.

Para o mandatário nacional, a entrega formal seis dias antes da data limite e com o máximo de assinaturas permitidas mostra que as pessoas estão "muito interessadas” na candidatura de José Maria Neves, que considerou ser "necessária” para o país. "Porque nós precisamos dar uma volta à nossa realidade, que não está seguindo os caminhos mais directos e mais correctos”, avaliou Germano Almeida, apontando os Transportes e a Justiça como sectores em que Neves pode vir a exercer a sua influência caso seja eleito Presidente de Cabo Verde."São duas situações que trazem grande crise para o país e que nós precisamos resolver rapidamente”, apelou o escritor, prémio Camões em 2018, ao apresentar a candidatura, ao lado de vários outros mandatários e ao som de batucada de jovens na Cidade da Praia.

José Maria Neves, 61 anos, apresentou publicamente a candidatura a Presidente da República de Cabo Verde em 19 de Março, e torna-se no primeiro a formalizá-la junto do TC. Aquando da apresentação pública da candidatura, o ex-Primeiro-Ministro cabo-verdiano (de 2001 a 2016) prometeu unir o país se for eleito Chefe de Estado, em Outubro, assumindo como prioridade a reconstrução de Cabo Verde no período pós-pandemia.

  PAICV declara apoio ao seu antigo líder

 Na corrida, José Maria Neves, que conta com apoio do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), de que foi presidente e agora na oposição governamental, deverá ter como principal adversário Carlos Veiga, também antigo Chefe de Governo do país (1991 a 2000), que conta com o apoio do Movimento para a Democracia (MpD, no poder), partido que fundou e também liderou.

A campanha eleitoral decorre entre as 00h00 de 30 de Setembro e as 23h59 de 15 de Outubro e em caso de uma segunda volta, ocorre em 31 do mesmo mês, com a campanha eleitoral entre 21 e 29 de Outubro.

As anteriores presidenciais em Cabo Verde, que reconduziram o constitucionalista Jorge Carlos Fonseca como Presidente da República, realizaram-se em 2 de Outubro de 2016 (eleição à primeira volta, com 74 por cento dos votos). De acordo com a Constituição de Cabo Verde, o Presidente da República é eleito  por sufrágio universal e directo pelos cidadãos eleitores recenseados no território nacional e no estrangeiro.

 Só pode ser eleito Presidente da República o cidadão "cabo-verdiano de origem, que não possua outra nacionalidade”, maior de 35 anos à data da candidatura e que nos três anos "imediatamente anteriores àquela data tenha tido residência permanente no território nacional”.


Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo