Cultura

José Luís de Matos pede mais difusão da obra de Neto

O embaixador destacou, em Madrid, Espanha, a necessidade de se dar mais visibilidade e divulgação dos feitos do primeiro Presidente de Angola, António Agostinho Neto.

14/11/2022  Última atualização 14H09
Diplomata angolano falou da vida e obra de  Neto © Fotografia por: DR

Conforme o diplomata, que falava na Universidade de Complutense de Madrid, no quadro das celebrações do centenário de Neto, a aposta deve passar pela reedição, por exemplo, das obras do Poeta Maior, em espanhol, para serem leccionadas.

 "O Presidente Neto deixou um legado que deve continuar a inspirar os angolanos, baseando-se na ideia imortalizada pelo slogan ‘o mais importante é resolver os problemas do povo”’, frisou o diplomata.

De acordo com José Luís de Matos, neste ano em que se celebra o centenário de António Agostinho Neto, os seus feitos não devem passar despercebidos, atendendo a dimensão política, diplomática, humanista e poética de Neto.

"Neto procurou sempre a unidade do povo angolano, nunca tendo descartado a possibilidade de em nome da paz e estabilização de Angola, falar com os adversários em plena Guerra-Fria”, apontou.

Agostinho Neto, disse, lutou pela preservação da identidade cultural dos angolanos, em particular, e dos africanos, em geral, com o objectivo político de materializar a unidade entre os povos e da independência dos países africanos.

"Atar-se de uma figura inquestionável e de grande influência política, poética, médica e cultural, cuja relevância e história ultrapas-sam as fronteiras de Angola, enquanto Fundador da Nação, é transmitir às novas gerações os valores defendidos por ele”, disse.

Agostinho Neto nasceu a 17 de Setembro de 1922, na localidade de Kaxicane (Icolo e Bengo) e faleceu a 10 de Setembro de 1979, por doença, em Moscovo, Rússia.

Enquanto escritor, o nacionalista escreveu várias obras, com destaque para "Quatro Poemas de Agostinho Neto (1957)”, "Sagrada Esperança (1974)”, e "A Renúncia Impossível”, esta última publicada a título póstumo em 1982.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Cultura