Mundo

Joaquim Chissano defende mais apelos à paz no país

O ex-Presidente moçambicano, Joaquim Chissano, disse, ontem, que os apelos para a paz no Centro de Moçambique devem continuar e defende os esforços para evitar que ou-tros guerrilheiros sigam o ca-minho de Mariano Nhongo, líder dissidente abatido pelas forças governamentais.

13/10/2021  Última atualização 09H10
Antigo líder moçambicano diz que o diálogo deve ser prioritário © Fotografia por: DR
Mariano Nhongo dirigia a auto-proclamada Junta Militar da Resistência Nacional Mo-çambicana (Renamo), dissidência do partido, responsável por ataques armados no Centro de Moçambique desde Agosto de 2019.
Para Joaquim Chissano, o diálogo para resolver diferenças políticas deve ser sempre uma prioridade em qual-
quer situação, mas quando o alvo dos ataques é o povo o Estado é obrigado a agir.


"Nunca desejei a morte de ninguém, mas o povo tem de ser defendido. E quando se defende o povo pode surgir um choque com o inimigo”, declarou o antigo Chefe de Estado moçambicano, acrescentando que houve sempre espaço para que Nhongo optasse pelo diálogo. "Sempre tivemos a esperança de que ir-se-ia encontrar uma solução”, frisou o antigo Presidente, manifestando-se também solidário com a família de Mariano Nhongo.

Por seu lado, o líder da bancada parlamentar do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), Lutero Simango, disse ontem à Lusa que a morte do guerrilheiro dissidente Mariano Nhongo não significa, só por si, o fim da violência armada no Centro do país.


"Devemos todos encontrar as razões que originam estes conflitos para que sejam resolvidos. A solução não é eliminar este ou aquele”, referiu Simango, sob pena de o conflito em causa reaparecer.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo