Economia

Itália mobiliza 320 milhões de dólares para financiamento do Corredor do Lobito

A Itália decidiu, sexta-feira, à margem da reunião do G7, que acolheu, juntar-se aos esforços dos EUA e da UE para promover o desenvolvimento sustentável ao longo do Corredor do Lobito.

16/06/2024  Última atualização 08H40
G7 realça o facto de o Corredor do Lobito estar ligado por um troço de infra-estruturas ferroviária que atravessa três países © Fotografia por: DR

Este compromisso visa reforçar a colaboração e a mobilizar uma contribuição agregada adicional de até 320 milhões de dólares em investimentos para apoiar a infra-estrutura ferroviária principal e os projectos paralelos relacionados, com vista a criar sinergias adicionais com a Aliança para as Infra-estruturas Verdes em África (AGIA).

 O Corredor do Lobito está ligado por um troço de infra-estrutura ferroviária que atravessa partes de Angola, da República Democrática do Congo e da Zâmbia, ricas em minerais e petróleo. Liga a África Austral e Central e proporciona acesso à África Oriental e uma via para o Oceano Atlântico.

É um exemplo típico dos mega projectos de infra-estruturas apoiados pelo Banco Africano de Desenvolvimento para garantir que África atinja o seu objectivo declarado de transformação económica plena, desenvolvimento sustentável e eliminação da pobreza.

Expressando os seus agradecimentos por ter sido convidado a participar na prestigiada cimeira do G-7, o presidente do BAD, Akinwumi Adesina, disse aos líderes mundiais que o banco tinha investido mais de 50 mil milhões de dólares em infra-estruturas de qualidade em África nos últimos oito anos e lembrou que a instituição é o principal financiador de infra-estruturas em África.

No entanto, advertiu: "África tem um défice de financiamento de infra-estruturas de 68 a 108 mil milhões de dólares por ano. Esta questão tem de ser resolvida para concretizar as ambições de África, fortemente apoiadas pelo G-7, de se tornar uma grande potência económica mundial”.

 
Investimentos

Em apoio ao objectivo da Parceria para as Infra-estruturas e o Investimento Globais (PGII) do G7 de mobilizar 600 mil milhões de dólares em investimentos em infra-estruturas nas economias emergentes, uma coligação de investidores norte-americanos destacou e comprometeu-se a investir novamente milhares de milhões de dólares em investimentos privados em infra-estruturas de grande escala nos mercados emergentes, em conformidade com as prioridades da PGII.

Numa declaração conjunta, os co-presidentes saudaram o compromisso renovado da Itália em impulsionar o desenvolvimento em África, incluindo o aprofundamento das parcerias com as nações africanas, através do seu Plano Mattei, e salientaram o seu compromisso de aumentar a coordenação entre o PGII, o MPA e o Global Gateway da UE "para maximizar o nosso impacto colectivo à medida que trabalhamos para desenvolver corredores económicos transformadores em África”.

O sector privado italiano juntou-se também ao coro crescente dos que apelam a um maior investimento em África. No contexto deste compromisso, o "Plano Mattei” para África lançou novos instrumentos financeiros em colaboração com o Banco Africano de Desenvolvimento.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia